13:04 14 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Agentes da Polícia Federal do Brasil, dezembro de 2016 (foto de arquivo)

    'Não podemos negar que tem questão política na nomeação de Segóvia para direção da PF'

    © AFP 2017/ ANDRESSA ANHOLETE
    Mundo
    URL curta
    330

    A nomeação de Fernando Segóvia para a direção da Polícia Federal levantou suspeitas pelo fato de que ele foi indicado por políticos que são alvo das investigações da Lava Jato. O presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais falou com exclusividade à Sputnik Brasil e rechaçou possível interferência nas investigações.

    Segóvia comentou as atitudes do Ministério Público Federal e criticou a operação que acabou provocando a detenção do ex-deputado federal Rodrigo Rocha Loures, homem de confiança do presidente Michel Temer. Rocha Loures foi filmado pela Polícia Federal transportando uma mala que continha 500 mil reais, segundo a própria PF, mas, de acordo com o novo diretor-geral da PF, o simples fato de ele portar esta mala não teria configurado a materialidade do crime e, portanto, não poderia ter levado ao seu indiciamento e posterior prisão pelos agentes federais.

    O Presidente da Fenapef (Federação Nacional dos Policiais Federais), Luís Antônio de Araújo Boudens, declarou à Sputnik Brasil que as primeiras declarações de Fernando Segóvia como diretor-geral da Polícia Federal de fato causaram preocupações na socieade e entre os policiais federais, mas disse não ter preocupações quanto à sua gestão.

    "Pelo que conheço do Fernando Segóvia — fomos colegas na Academia de formação de policiais federais-, eu o vejo hoje como um profissional em meio de carreira, com 21 a 22 anos de formação, e pelas suas características pessoais, posso dizer que nós, policiais federais, não temos nenhuma preocupação com a gestão do Fernando Segóvia", observou.

    Boudens admitiu a questão política na nomeação de Segóvia para a direção geral da Polícia Federal mas rechaçou qualquer possibilidade de o diretor interferir na Operação Lava Jato e em qualquer outra investigação da Polícia Federal. 

    “Não podemos negar que existe a questão política na indicação de Fernando Segóvia para a direção da Polícia Federal, assim como existe a questão dos compromissos políticos. Isso preocupa a todos. Em relação às investigações em si, assim como o [Leandro] Daiello não tinha interferência, dificilmente o Fernando Segóvia vai ter alguma interferência em investigações nossas", afirmou.  

    "Então, é muito difícil acreditar que o Fernando Segóvia – ou qualquer outro diretor da Polícia Federal – poderá interferir no rumo das investigações. De qualquer forma, nós temos de manter um monitoramento permanente para que, a qualquer sinal de possível interferência ou mesmo de maquiagem de alguma situação, a sociedade tome conhecimento imediato destes fatos. A Federação tem a capacidade de fazer esse monitoramento de forma permanente”, acrescentou. 

    O novo diretor geral da Polícia Federal, Fernando Segóvia, tomou posse na segunda-feira, 20 de novembro. Sua indicação para o cargo foi anunciada no dia 8, apenas 12 dias antes da posse. Segóvia, de quem se diz ser muito próximo do ex-presidente José Sarney, tem 48 anos, 22 deles passados na Polícia Federal, órgão em que exerceu várias funções, inclusive a de adido policial na embaixada do Brasil na África do Sul. Segóvia foi superintendente da Polícia Federal no Maranhão, e já cuidou do relacionamento da instituição com os indígenas assim como da gestão do patrimônio da instituição. Teve também atuação sindical em Brasília, e chegou a se candidatar à presidência da ADPF, Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal.

    A Sputnik Brasil convidou a ADPF a também se manifestar sobre os possíveis rumos da Operação Lava Jato no âmbito da Polícia Federal com Fernando Segóvia no comando da instituição. A assessoria de imprensa da ADPF informou que o delegado Carlos Eduardo Sobral está deixando a presidência da instituição em 1º de dezembro próximo e, até lá, ele não pretende fazer quaisquer manifestações públicas.

    Da mesma forma, a Sputnik Brasil procurou o departamento de imprensa da Polícia Federal mas não obteve resposta da instituição.  

    Mais:

    Diretor da PF indicado por Temer revela data para o fim das investigações da Lava Jato
    Questão de guerra? Quem vai controlar as fake news eleitorais – Exército ou PF?
    Temer recebeu R$ 31,5 milhões por liderar organização criminosa do PMDB, diz PF
    Tags:
    investigação, Operação Lava Jato, Polícia Federal, Rodrigo Rocha Loures, Fernando Segóvia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik