13:00 17 Janeiro 2018
Ouvir Rádio
    Recep Tayyip Erdogan, presidente da Turquia

    Erdogan acusa países da União Europeia de apoiar PKK

    © REUTERS/ Umit Bektas
    Mundo
    URL curta
    111

    O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, declarou nesta quinta-feira (9) que os países da União Europeia fornecem asilo aos membros do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), organização proibida na Turquia, e não os impedem de realizar várias ações.

    "Eles andam pelas ruas de Berlim, andam por Paris e Áustria. A União Europeia aparentemente não gosta deles [PKK] e os considera como uma organização terrorista. Se sim, por que eles podem andar livremente sob a proteção da polícia? Por que publicam retratos do líder da organização separatista em seus edifícios estaduais?", disse Erdogan.

    Ele acrescentou que os países europeus apenas pretendem combater o PKK, mas na verdade eles apoiam essa organização.

    O histórico confronto entre as forças governamentais turcas e os militantes rebeldes do PKK se intensificou no leste da Turquia em julho de 2015, levando a uma série de atos de violência cometidos pelas duas partes, inclusive em territórios estrangeiros, áreas de maioria curda na Síria e no Iraque. 

    Ancara acusa o Partido dos Trabalhadores do Curdistão de ser responsável pela morte de mais de 1.200 pessoas ao longo dos últimos dois anos, incluindo mulheres e crianças.

    Mais:

    Polícia da Turquia prende mais de 30 suspeitos de ligação com o PKK
    Forças da Turquia eliminam militantes do PKK no leste do país
    Ataque do PKK deixa feridos no sudeste da Turquia
    Turquia continua caça ao PKK e mata mais oito militantes no leste do país
    Tags:
    terrorista, confronto, curdos, Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), Recep Tayyip Erdogan, União Europeia, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik