22:01 23 Abril 2018
Ouvir Rádio
    Situação no oeste de Mossul, março de 2017

    ONU: terroristas do Daesh cometeram em Mossul 'crimes contra humanidade', genocídio

    © AFP 2018 / Aris Messinis
    Mundo
    URL curta
    130

    A Organização das Nações Unidas solicitou que o governo do Iraque investigue genocídio, crimes contra humanidade e crimes de guerra em Mossul.

    Atrocidades do Daesh (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países) na batalha por Mossul correspondem a "crimes internacionais" e, atualmente, os Tribunais do Iraque não possuem jurisdição apropriada, afirmou nesta quinta-feira (2) o Gabinete das Nações Unidas para os Direitos Humanos.

    Em junho de 2014, terroristas do Daesh estabeleceram controle na cidade de Mossul, a segunda maior cidade do Iraque, e a tornaram em um de seus maiores bastiões no Oriente Médio. Em janeiro deste ano, as forças iraquianas e as da coalizão encabeçada pelos EUA iniciaram em Mossul uma operação para libertar a parte ocidental da cidade, depois de terem recapturado a parte oriental. Em julho, a cidade foi libertada completamente.

    De acordo com dados do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), cerca de 650.000 crianças foram atingidas pela guerra em Mossul. Segundo a ONU, desde o início do conflito, aproximadamente 700.000 moradores da cidade iraquiana tiveram de abandoná-la.

    Mais:

    ONU pede fim do embargo de Cuba; EUA e Israel votam contra resolução
    Secretário-geral da ONU anuncia que visitará a República Centro-Africana
    Cooperação entre Moscou e Pyongyang será realizada de acordo com resolução da ONU
    Tags:
    atrocidades, direitos, genocídio, crime, Daesh, ONU, Mossul, Iraque
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik