10:39 15 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Lançamento do foguete Proton-M com satélite militar russo do cosmódromo de Baikonur, Cazaquistão (foto de arquivo)

    Primeiro satélite angolano será lançado de Baikonur em 7 de dezembro

    © REUTERS / Shamil Zhumatov
    Mundo
    URL curta
    5121

    Yevgeny Mikrin, diretor de designer da Corporação Energética de Míssil e Espaço, comunicou que o foguete transportador ucraniano Zenit levará ao espaço o satélite AngoSat-1, construído a pedido de Angola, do cosmódromo Baikonur, no Cazaquistão, em 7 de dezembro.

    O foguete transportador Zenit ucraniano levará ao espaço o satélite AngoSat-1, que foi construído a pedido de Angola, do cosmódromo Baikonur no Cazaquistão em 7 de dezembro, disse na segunda-feira (2) à Sputnik Yevgeny Mikrin, diretor de designer da Corporação Energética de Míssil e Espaço.

    Base lunar futura da Rússia na imaginação do artista
    © Foto : Central Research Institute of Machine Building
    O lançamento do primeiro satélite angolano foi adiado muitas vezes. Inicialmente, planejava-se lançá-lo ao espaço neste verão – do hemisfério Norte, depois a data do lançamento foi remarcada para setembro, e posteriormente, para outubro, novembro e, finalmente, dezembro.

    "O lançamento do satélite AngoSat-1, construído pela Corporação Energética de Míssil e Espaço em conformidade com os interesses da República de Angola, está programado para o dia 7 de dezembro", disse Mikrin.

    O projeto AngoSat-1 está sendo executado desde 2012. No âmbito do programa, foi construído um satélite equipado com transmissor; o próximo passo é enviá-lo para a órbita terrestre e ao mesmo tempo construir infraestrutura de comunicação na Terra.

    Mais:

    No espaço até Rússia e EUA se dão bem
    Esse fenômeno provocará admiração e não deixará você indiferente! (VÍDEO)
    Coreia do Sul aprimorará Centro Espacial Naro em cooperação com Rússia
    Tags:
    espaço, foguete-portador, lançamento, satélite, Baikonur
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik