20:57 21 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Praça de São Pedro em Roma, Itália

    Diplomata do Vaticano em Washington é acusado de envolvimento com pornografia infantil

    © Sputnik/ Dmitriy Korobeinikov
    Mundo
    URL curta
    383340

    O Vaticano convocou de volta um padre e diplomata que trabalhava em Washington e foi acusado de ter fotos de pornografia infantil.

    O Departamento de Estado confirmou à agência AFP que pediu ao Vaticano que retirasse a imunidade diplomática do suspeito, mas a autorização foi negada. 

    A Igreja Católica e as autoridades estadunidenses não forneceram a identidade do suspeito. Ele está na Cidade do Vaticano e será alvo de uma investigação de procuradores do Vaticano. 

    O Papa Francisco afirma ter uma política de "tolerância zero" com casos de pedofilia.

    Este caso, contudo, não é o primeiro do papado do atual sumo pontífice. Em 2013, o Vaticano convocou de volta seu embaixador na República Dominicana, Jozef Wesolowski, acusado de abusar de meninos.

    Ele foi considerado culpado pelo tribunal criminal do Vaticano e foi expulso da Igreja. Após a expulsão, o antigo embaixador perdeu a imunidade diplomática, mas o Vaticano não informou às autoridades dominicanas informações sobre o seu paradeiro e possíveis dados coletados em seu julgamento.

    Wesolowski morreu pouco tempo depois do julgamento.

    A posse, distribuição e produção de pornografia infantil foi tipificada pelo código criminal do Vaticano em 2013. As penas previstas vão de 2 anos a 12 anos de prisão e multas de €10 mil a €250 mil. 

    Mais:

    Cientistas descobrem mistério de pergaminho do Arquivo Secreto do Vaticano
    Vaticano louva papel da Rússia na construção da paz mundial
    Venezuela: priorize a paz e suspenda a Constituinte, pede o Vaticano
    China pede que Vaticano reveja a doutrina católica
    Vaticano estuda criar doutrina para expulsar mafiosos e corruptos
    Tags:
    Vaticano, Departamento de Estado dos EUA, Papa Francisco
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik