00:35 22 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Interceptor de mísseis norte-americano

    National Interest: Guerra Fria vai esfriar as cabeças, beneficiando a Rússia e os EUA

    © flickr.com/ The U.S. Army
    Mundo
    URL curta
    581
    Nos siga no

    Donald Trump tem uma chance de melhorar as relações com a Rússia, sem que os interesses nacionais americanos sejam prejudicados, se ele voltar a seguir os princípios básicos da Guerra Fria.

    De acordo com a revista National Interest, Moscou possui um arsenal nuclear capaz de varrer os EUA da face da Terra, como tal é preciso utilizar os meios empregados pelos norte-americanos durante o confronto com a URSS. 

    Como se sabe, a existência da URSS durou até 1991, no entanto o arsenal nuclear da superpotência permaneceu. Visto que a meia-vida do plutónio é de 24 mil anos (meia-vida é o tempo que o elemento químico radioativo leva para ter sua atividade reduzida pela metade), as armas nucleares não sumirão de um dia para o outro.

    "Em plena Guerra Fria, Ronald Reagan apelidou a URSS o 'Império do Mal' e estava disposto a vencê-la. Ao mesmo tempo, ele reconhecia e recordava com frequência aos 'defensores da Guerra Fria' que a guerra nuclear não se ganha, consequentemente não vale a pena travá-la", acredita o autor do artigo.

    Segundo ele, as tecnologias fizeram com que a Rússia se tornasse o "insuportável mas inevitável gémeo siamês" dos EUA, portanto, seja qual for o castigo que a Rússia mereça, a missão de destruí-la será suicida.

    O presidente Obama tomou posse cheio de ambições grandiosas de "dar um reset" nas relações com a Rússia, diminuindo o papel das armas nucleares. Contudo, quando saiu do cargo ao cabo de oito anos, as relações bilaterais estavam a um nível tão baixo como nunca haviam estado nos piores períodos da Guerra Fria. Logicamente, a probabilidade de emprego de armas nucleares na Europa voltou a estar no foco das atenções. Portanto, Donald Trump tem hoje uma chance de aumentar o nível de segurança dos americanos através da mudança radical das iniciativas de Obama, "remoldando" as relações com a Rússia com base nos princípios fundamentais da Guerra Fria.

    Mais:

    Trump não usará armas nucleares contra Coreia do Norte sem consultar Seul, diz Moon
    Estaria a Coreia do Sul interessada em obter armas nucleares?
    Dono de armas nucleares, Paquistão corre risco de viver caos com queda de premiê?
    Coreia do Norte avança na produção de plutônio para armas nucleares, diz site
    Tags:
    reset, armas nucleares, dissuasão nuclear, confronto, império do mal, Guerra Fria, The National Interest, Ronald Reagan, Barack Obama, Donald Trump, Europa, URSS, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar