14:30 23 Julho 2019
Ouvir Rádio
    O míssil balístico intercontinental lançado pela Coreia do Norte em 4 de julho de 2017

    'É mentira absoluta': Ucrânia comenta supostas remessas de motores de mísseis a Pyongyang

    © REUTERS / KCNA
    Mundo
    URL curta
    810

    O ministro da Defesa da Ucrânia, Stepan Poltorak, afirmou que as informações sobre remessas de motores de mísseis ucranianos à Coreia do Norte não são verdadeiras.

    "Estão nos envolvendo em todos os escândalos no mundo. É mais uma referência a algo que não existe e não podia existir, é uma mentira absoluta", afirmou hoje o ministro ucraniano aos jornalistas no ar do canal 112 Ukraina.

    Anteriormente, o jornal The New York Times informou, citando dados secretos da inteligência norte-americana e a investigação do especialista Michael Elleman, que a Coreia do Norte podia ter adquirido através do mercado negro motores para mísseis balísticos produzidos pela empresa ucraniana Yuzhmash.

    O secretário do Conselho de Defesa e Segurança Nacional da Ucrânia Aleksandr Turchinov, por sua parte, declarou que a empresa ucraniana não tinha fornecido armas e tecnologias militares à Coreia do Norte. A Yuzhmash também afirmou que não tem nada que ver com os programas de mísseis de Pyongyang.

    O Instituto Internacional de Estudos Estratégicos (International Institute for Strategic Studies, em inglês), onde trabalha Michael Elleman, negou que o especialista tenha dito algo sobre o fornecimento de tecnologias à Coreia do Norte pela Yuzhmash. O construtor-geral da empresa ucraniana de projetos Yuzhnoe, Aleksandr Degtyarev, supõe que algum país teria conseguido copiar o motor para mísseis ucraniano produzido pela Yuzhmash.

    Mais:

    EUA em alerta com relatos de fornecimento de tecnologia da Ucrânia à Coreia do Norte
    Exército norte-americano reforça sistemas antimíssil na Coreia do Sul
    Tags:
    rumores, tecnologias, motores, fornecimento, armas, mísseis, Aleksandr Turchinov, Coreia do Norte, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar