06:27 24 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Soldado com a bandeira da OTAN

    Sede da OTAN pode ser transferida para Moscou?

    © REUTERS / Ints Kalnins
    Mundo
    URL curta
    1095

    O Dalai Lama XIV, líder religioso do budismo tibetano, afirmou em entrevista a um jornal russo sonhar com que a sede da OTAN mude para Moscou, dizendo que isso contribuiria para os cidadãos russos e norte-americanos se aproximarem.

    Na semana passada, se deu o histórico primeiro diálogo entre o líder espiritual tibetano e neurologistas russos, dado que o tema principal foi "a Natureza da Consciência". Esta conferência foi apenas o início de todo um ciclo de encontros internacionais deste tipo.

    Na entrevista ao jornal Kommersant, o Dalai Lama sublinhou que, apesar da crise dos valores humanitários na Europa, das tendências pessimistas de aumento do autoritarismo no mundo, há cada vez mais um forte movimento de resistência a estas tendências.

    "Eu olho para os EUA e ouço muitas críticas em relação à Casa Branca. Muitos daqueles que apoiavam Donald Trump agora se manifestam contra ele. Depois olho para a Rússia, vejo protestos contra a corrupção e assim por adiante. Acredito que, na época de Stalin, isso era impossível.

    Não de modo tão rápido como vocês talvez queiram, mas as mudanças estão acontecendo. Eu acredito no grande futuro da Rússia. A Rússia, de fato, pode se tornar em uma verdadeira ponte entre o Oriente e o Ocidente", afirmou.

    "Sabem, o meu sonho é que a sede da OTAN seja transferida para Moscou. Na mentalidade russa, a OTAN é um símbolo de uma força inimiga. Se a sede da aliança ficasse em Moscou, do ponto de vista psicológico todos ficariam aliviados, se criaria uma impressão de que vocês e os americanos estão juntos a partir daí! Pois, receio que após uma proposta dessas já não me permitam visitar os EUA!", adiantou.

    O líder religioso assinalou que, embora o Reino Unido esteja saindo da União Europeia, muitos britânicos não gostam disso, travam-se discussões, os cidadãos manifestam abertamente seu descontentamento.

    "Tomemos a China. O sistema comunista, os líderes autoritários. Mas, entre os intelectuais há cada vez um maior número de pessoas com outras visões. A mesma coisa acontece com as atitudes sociais para com a guerra e a violência. Nas vésperas da crise iraquiana, milhões de pessoas, desde a Austrália até os EUA, se manifestaram abertamente contra a guerra. Tenho a certeza de que devemos analisar os processos internacionais do ponto de vista do desenvolvimento humano. Ou seja, a nível pessoal e não a nível de líderes políticos", resumiu.

    De acordo com o Dalai Lama, os líderes são muitas vezes egoístas e motivados pelo desejo de preservar o poder, bem com por toda uma série de outras razões, mas eles não podem e não devem simbolizar o povo.

    "As forças políticas não são para sempre, eles tentam e vão tentar controlar tudo, mas sua vida não é de 100 anos!", exclamou ele em resumo.

    Mais:

    OTAN critica visita de Putin à região separatista da Geórgia
    Ucrânia crê que Rússia e Bielorrússia pressionam a OTAN com suas manobras
    Tropas da OTAN na Polônia não representam ameaça para Moscou, diz chanceler polonês
    Tags:
    bloco militar, OTAN, Dalai Lama, China, EUA, Tibete, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar