15:13 21 Abril 2019
Ouvir Rádio
    Foguete chinês Chang'e-3 está lançado a partir do Centro de Lançamento de Satélites na província chinesa de Sichuan, China, dezembro de 2013

    'Caçadores espaciais': como Pequim poderia ganhar uma guerra contra Washington

    © AFP 2019 / Stringer
    Mundo
    URL curta
    862

    O desenvolvimento de armas antissatélite por parte da China representa uma grande ameaça para os recursos especiais dos EUA, escreve o canal RT, citando a revista da Força Aérea dos EUA, Strategic Studies Quarterly.

    O ex-físico superior da Corporação RAND (Reserach ANd Development, na sigla em inglês), Brian Chow, qualificou as armas chinesas como "caçadores espaciais" que supõem uma "ameaça de mudança drástica de regras" para os satélites norte-americanos, segundo escreve RT. Chow notou que desde 2008 Pequim vem desenvolvendo uma nova arma antissatélite (ASAT) coorbital.

    As ASAT "poderiam ser colocadas em órbita em tempo de paz e serem manipuladas para acompanhar os satélites norte-americanos durante uma crise". O cientista destacou que as armas chinesas "poderiam atacar de forma simultânea múltiplos satélites cruciais a uma distância tão próxima que os EUA não teriam tempo para evitar o dano".

    Brian Chow ressaltou que as armas coorbitais desenvolvidas pela China são com frequência "impossíveis de distinguir de satélites comuns". No entanto, estes são capazes de eliminar satélites "que estão próximos através de várias armas", nomeadamente, armas de energia cinética, cargas explosivas, dispositivos de fragmentação e armas robóticas.

    Pequim levou a cabo várias operações para testar o uso destes "caçadores espaciais". Particularmente, em setembro de 2008, um satélite de imagens do gigante asiático passou a uma distância de 45 quilômetros da Estação Espacial Internacional (EEI) sem aviso prévio.

    Outro exemplo ocorreu em julho de 2013, quando Pequim lançou um foguete que portava os satélites CX-3, SY-7 e SJ-15, um dos quais estava equipado com um braço robótico. Quando estavam em órbita, este satélite se agarrou aos outros com esse braço.

    "Cegar e ensurdecer"

    Segundo o RT, o relatório anual do Pentágono indica que o exército chinês tinha destacado em várias ocasiões que os satélites de comunicação, de navegação e de alerta rápido poderiam se transformar em alvos com objetivo de "cegar e ensurdecer o inimigo".

    Brian Chow, por sua parte, ressaltou que o potencial militar chinês continua desenvolvendo uma combinação de elementos que "está desenhada de forma coerente e assimétrica para lidar com uma capacidade espacial norte-americana que é muito mais avançada do ponto de vista tecnológico".

    Resumindo, o especialista afirma que os EUA, assim como outros países, devem advertir todas as partes que "o posicionamento de 'caçadores espaciais' para um ataque de surpresa seria tratado como um ato de agressão, enquanto o autor deste seria marcado como agressor".

    Mais:

    EUA continuam a impedir Rússia e China de cooperarem com Coreia do Norte
    Tags:
    guerra espacial, armas antissatélite, satélites, espaço, tecnologias, EEI (Estação Espacial Internacional), China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar