06:48 17 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    A tripulação do destróier Shenyang que chegou em Vladivostok juntamente com seis outros navios de guerra chineses para a segunda fase da Cooperação Naval 2015.

    Pequim e Moscou continuam manobras navais conjuntas, desta vez no Extremo Oriente russo

    © Sputnik/ Vitaliy Ankov
    Mundo
    URL curta
    10965120

    No âmbito da 2ª etapa das manobras Cooperação Marítima 2017, os marinheiros russos e chineses irão aperfeiçoar no Extremo Oriente russo sua interação no campo da proteção das vias de comunicação marítimas, disse o chefe do Departamento de Informações da Assessoria de Imprensa da Região Militar Oriental para a Frota do Pacífico, Vladimir Matveev.

    De acordo com o militar, atualmente em Vladivostok está decorrendo uma conferência relacionada com a organização da segunda etapa das manobras sino-russas Cooperação Marítima 2017.

    No decorrer do evento, os representantes de ambos os países discutirão a ideia e as áreas onde se realizarão as manobras, definirão a composição das forças e meios e o sistema de abastecimento dos grupos navais. Além disso, ambas as partes examinarão o polígono Gornostai, onde se dará um dos episódios dos treinamentos, e o local de fundeadouro dos navios.

    "Planeja-se que no decorrer das manobras sejam analisadas as questões de interação entre grupos navais da Frota do Pacífico e da Marinha chinesa durante a realização de tarefas no âmbito da proteção das vias de comunicação marítimas. Para uma atividade conjunta no mar, planejamos usar navios de superfície, navios auxiliares e a aviação embarcada russa e chinesa", afirmou capitão-de-mar-e-guerra Matveev.

    O militar relembrou que a primeira etapa das manobras ocorreu nos fins de julho no Báltico. Matveev frisou que tais manobras entre a Rússia e a China se realizam com regularidade, sendo que esta é já a sexta vez.

    O objetivo destes eventos é reforçar cooperação entre as marinhas e o combate a várias ameaças marítimas.

    Pela última vez, tais treinamentos se deram em setembro de 2016 no mar do Sul da China.

    Mais:

    China inaugura sua primeira base militar no exterior em Djibuti
    China exibe novo míssil balístico intercontinental DF-31AG pela primeira vez
    Europa teme guerra de aço contra EUA por causa da China
    Tags:
    cooperação estratégica, manobras navais, Frota do Pacífico, Extremo Oriente, China, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik