07:13 22 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Donald Trump hotel Rio

    É possível uma coalizão entre Irã, Rússia e Coreia do Norte contra EUA?

    © AP Photo /
    Mundo
    URL curta
    17222

    O Senado dos EUA aprovou com 419 votos a favor o projeto das novas sanções contra o Irã, a Rússia e a Coreia do Norte. O documento, denominado “lei para a luta contra os inimigos dos EUA através de sanções”, deve ser aprovado por Donald Trump.

    A lei prevê introduzir sanções financeiras contra a Rússia, além de restrições contra o programa de mísseis iraniano e a indústria naval norte-coreana. O presidente dos EUA, Donald Trump, que deve aprovar o projeto para que entre em vigor, estudou a versão final do documento para ter certeza que sua posição tinha sido tomada em conta e decidiu apoiar a iniciativa.

    Mas o que aconteceria se o Irã e a Rússia fossem capazes de negociar com a beligerante Coreia do Norte para criar uma aliança contra as ambiciosas sanções de Washington? O papel da Coreia do Norte não seria determinante porque se concentraria em temas nucleares em vez de negociar. O mais provável é que Pyongyang não fizesse parte da coalizão, pois suas ações visam desencadear uma guerra. Mas a Rússia e o Irã podem criar uma nova aliança no Oriente Médio, conforme afirmou à Sputnik Persa Sajjad Tayeri, colunista do portal iraniano IranianPolicy.net e especialista em relações russo-iranianas.

    "Caso queiramos dar uma resposta adequada às sanções norte-americanas, então a Coreia do Norte não tem nada a ver com isso. É preciso levar em consideração o regime político deste país e o fato de não ter nenhum estatuto no Oriente Médio", afirmou o especialista.

    Os EUA procuram através de suas sanções efetuar pressão sobre o Irã e enfraquecer seu poder militar, acredita o colunista. Recentemente, a Coreia do Norte lançou o míssil Hwasong-14, provando assim sua capacidade de atacar seu inimigo número um.

    "Os EUA tentaram fazer o Irã, a Rússia e a Coreia do Norte obedecer, mas não conseguiram fazê-lo, porque cada país tem suas regras e leis", destacou Sajjad Tayeri. Ele lembrou que a Rússia e o Irã sempre agem juntos na arena internacional. E agora, quando os EUA estão dispostos a pressionar os dois países quanto à questão síria, é necessária uma nova aliança para solucionar a situação na região, no Oriente Médio, no Iêmen, aliança que a Rússia e o Irã podem atingir, acredita o especialista.

    "Por isso, caso seja criada uma nova coalizão, e a Rússia e o Irã sejam seus membros, se pode atribuir à Coreia do Norte um papel de segundo plano. Porque este país quer negociar com uma bomba nuclear nas mãos, mas tenho a esperança que as negociações entre a Rússia, o Irã e os EUA tenham êxito. Sou a favor da diplomacia", ressaltou o politólogo iraniano.

    Do ponto de vista do investigador principal do Centro de Estudos Estratégicos, Mahmoud Shuri, a resposta da Rússia, Irã e Coreia do Norte às sanções de Washington pode ser diferente.

    "É evidente que a Rússia é um país com estatuto de potência mundial, sendo também membro do Conselho de Segurança da ONU, por isso são altas suas capacidades de resistir às sanções norte-americanas a nível diplomático. O Irã também tem acumulado uma grande experiência depois de viver por anos sob sanções, lutando por seu programa nuclear (pacífico). É nosso dever lutar juntos e, para isso, devemos criar uma frente conjunta para mostrar aos EUA que suas ações contradizem as leis internacionais", afirmou.

    O investigador acrescenta que, infelizmente, a Rússia e o Irã possuem capacidades e métodos de influência limitados, mas frisa que os países não devem por esta razão desistir da luta contra as sanções norte-americanas.

    Mais:

    Pentágono detecta atividade submarina 'sem precedentes' na Coreia do Norte
    Para que Coreia do Norte recorre à demonstração de força?
    Crítico de Israel, aiatolá do Irã diz em SP que EUA 'patrocinam o Daesh' e defende Assad
    Tags:
    aliança, resposta, sanções, ONU, Donald Trump, Iêmen, Síria, Rússia, Coreia do Norte, Irã, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik