02:23 06 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Protestos antigovernamentais na Venezuela

    Candidato à Assembleia Constituinte na Venezuela é morto a tiros

    © AFP 2019 / Federico Parra
    Mundo
    URL curta
    904
    Nos siga no

    O Ministério Públicou da Venezuela informou neste domingo (30) que ordenou uma investigação sobre a morte do advogado José Feliz Pineda, candidato à Assembleia Nacional Constituinte pelo setor de comunas e conselhos comunais, assassinado a tiros em 29 de julho no estado de Bolívar.

    "A promotoria da Ciudad de Bolívar investiga a morte do advogado José Félix Pineda, que ocorreu na noite de sábado, por um grupo de pessoas que invadiu a residência da vítima e disparou vários tiros", informou a promotoria.

    O Programa Venezuelano de Educação-Ação em Direitos Humanos (Provea), por sua vez, condenou o assassinato e exigiu uma investigação imediata do crime.

    "Rechaçamos a morte do candidato para a Assembléia Nacional Constituinte, José Félix Pineda; exigimos do Ministério Público uma investigação oportuna para os responsáveis", publicou a ONG em seu Twitter.

    A Venezuela realiza neste domingo a eleição dos representantes de um novo órgão legislativo composto por 545 membros que reescreverão a Constituição, mesmo com um plebiscito realizado no dia 16 de julho ter pedido o interrompimento do processo. A oposição afirma que o voto neste domingo pode ser outra tentativa do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, de ignorar o Parlamento controlado por oposicionistas da Mesa da Unidade Democrática. 

    Mais:

    Procuradora-Geral da Venezuela alerta para 'risco de totalitarismo' no país após eleições
    Venezuela planeja aumentar participação nos Jogos Internacionais do Exército
    Eleição de Assembleia Constituinte deve agravar crise política na Venezuela
    Protestos de rua serão proibidos na Venezuela a partir de sexta-feira
    Tags:
    candidato, morto, eleições, Assembleia Constituinte, assassinato, Nicolás Maduro, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar