13:24 24 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Cosmonautas da Roscosmos e da NASA partem para missão de quatro meses na Estação Espacial Internacional (foto de arquivo)

    Suspensão da cooperação afetará tanto a NASA como a Roscosmos

    © NASA . Joel Kowsky
    Mundo
    URL curta
    1591

    A corporação espacial russa Roscosmos, a NASA e a Agência Espacial Europeia (ESA) compreendem que a suspensão da cooperação afetará cada uma delas, afirmou no sábado (28) o diretor da Roscosmos, Igor Komarov.

    De acordo com Komarov, os parceiros se dão conta de que é preciso trabalharem juntos apesar das muitas decisões dos políticos que poderiam afetar de modo negativo a cooperação.

    "É muito fácil tomar decisões precipitadas que romperiam a cooperação. Tanto nós, como os nossos parceiros, entendemos que isso nos levará para trás. Aa agências espaciais se dão conta que é preciso manter e continuar esta cooperação", disse Igor Komarov em entrevista ao canal Rossiya 24.

    Além disso, ele sublinhou que não são apenas as sanções que incentivam o desenvolvimento da astronáutica tanto na Rússia, como em outros países.

    "O motivo por que eles aspiram a deixar de ser dependentes é a concorrência e a vontade de serem melhores que os parceiros. […] Entendemos que, na área das peças eletrônicas e outros aparelhos técnicos que produzimos, precisamos de desenvolver novas tecnologias, desenvolver novos foguetes, aparelhos espaciais e novos sistemas espaciais para avançarmos", afirmou.

    O diretor da corporação russa também frisou que a cooperação entre as agências na Estação Espacial Internacional e no âmbito das pesquisas científicas ajuda os parceiros a avançarem juntos em sua área e a cooperarem eficientemente.

    Mais:

    Roscosmos mostra imagem detalhada do iceberg 'recém-nascido' (FOTO)
    NASA fará 'ressuscitar' lendário avião supersônico Concorde com caraterísticas novas
    Tags:
    tecnologias, cooperação, espaço, EEI (Estação Espacial Internacional), Roscosmos, NASA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar