02:35 14 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Destróier USS Wayne E. Meyer, da classe Arleigh Burke, no mar do Sul da China, 11 de abril de 2017

    Almirante americano promete lançar ataque nuclear contra China se Trump ordenar

    © REUTERS/ Danny Kelley/Courtesy U.S. Navy
    Mundo
    URL curta
    521537

    O comandante da Frota do Pacífico dos EUA, Scott Swift, afirmou estar pronto a lançar um ataque nuclear contra a China na próxima semana caso o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, prepare o respetivo decreto, informa a agência Assoсiated Press.

    O almirante discursava em uma conferência de segurança em uma universidade australiana após os exercícios conjuntos entre os EUA e a Austrália. Quando um dos cientistas lhe perguntou se ele cumpriria a ordem de lançar um ataque nuclear contra a China na semana que vem, caso Trump ordenasse, Scott Swift deu resposta afirmativa.

    O almirante sublinhou que cada militar norte-americano jurou cumprir as ordens do comandante-chefe, segundo a agência

    As relações entre Washington e Pequim têm passado por uma fase complicada. Nomeadamente, na semana passada, um caça chinês interceptou, pela terceira vez nos últimos meses, um avião da Marinha dos EUA sobre o mar do Sul da China. No início de julho, a China acusou Washington de violar de modo grave a sua soberania e o direito internacional após um destróier norte-americano ter entrado nas águas das ilhas disputadas de Paracel, que a China considera seu território.

    Para além disso, foi informado que a administração de Donald Trump estava desenvolvendo novas sanções contra pequenos bancos chineses e outras instituições que têm laços de negócios com a Coreia do Norte. As restrições podem ser aprovadas nas próximas semanas, afetando pequenas instituições financeiras ligadas ao programa nuclear e de mísseis de Pyongyang.

    Mais:

    China espera que os EUA ponham fim às provocações no mar do Sul da China
    EUA e China estão discutindo sanções contra Coreia do Norte, diz embaixadora dos EUA
    Tags:
    agravamento, relações bilaterais, Marinha dos EUA, Donald Trump, Mar do Sul da China, EUA, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik