20:01 20 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Prédio do Congresso norte-americano

    'Sanções são a manifestação das pretensões imperialistas dos EUA'

    © Sputnik / Igor Mikhalev
    Mundo
    URL curta
    2582

    No momento, não há nenhuma razão para os EUA continuarem a impor sanções à Rússia. É o que afirma o economista e ex-diretor do Instituto de Trabalho e Economia (IAW) da Universidade de Bremen, Rudolf Hickel, em entrevista à Sputnik.

    De acordo com o especialista, o objetivo das sanções impostas contra a Rússia é bem diferentes do que parece. 

    "Não há uma única razão imediata agora para adotar estas sanções. Todos os inquéritos e controles sobre a alegada interferência e ataques cibernéticos por parte da Rússia durante as eleições norte-americanas ainda continuam. Neste cenário, as novas sanções são bastante contraproducentes", diz Hickel.

    O economista também observa que, na sequência da decisão do Congresso dos Estados Unidos de impor sanções à Rússia, o país norte-americano "cometeu um erro". Hickel acrescenta que a decisão responde a interesses políticos nacionais.

    "É uma provocação dirigida contra Trump", observa o analista, acrescentando que as sanções "são a manifestação das pretensões imperialistas dos Estados Unidos".

    "Seguindo sua estratégia de 'América em primeiro', eles agora têm que fortalecer as exportações dos Estados Unidos, especialmente no setor da energia. Desta forma, eles esperam derrubar o projeto Nord Stream 2 entre a União Europeia e a Rússia", conclui.

    De acordo com Hickel, agora mesmo o desacordo entre a União Europeia e os EUA sobre a questão das sanções contra a Rússia é total.

    Mais:

    Alemanha está preocupada com novas sanções dos EUA contra a Rússia
    Câmara baixa dos EUA aprova novas sanções contra Rússia, Irã e Coreia do Norte
    Especialista: EUA 'vociferam' porque não podem igualar Rússia no Ártico
    Opinião: Rússia já não é a 'única' maior ameaça aos EUA
    Tags:
    Nord Stream 2, imperialismo, sanções, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar