14:49 25 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    5180
    Nos siga no

    As ameaças dos congressistas americanos de sair do histórico Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário, mais conhecido como Tratado INF, são apenas um pretexto para instalar mísseis no Oriente Médio e na Ásia, afirmou o major-general retirado russo Pavel Zolotarev.

    As tentativas do Congresso dos EUA de impor mais sanções contra a Rússia devido a alegadas violações do Tratado INF, celebrado em 1987 para proibir que as partes possuíssem mísseis balísticos e de cruzeiro nucleares ou convencionais com alcance de 500 a 5.500 quilômetros, são apenas uma medida oportunista de descartar suas obrigações, afirmou o militar ao RT.

    Nesta sexta-feira (7), o legislador republicano Ed Royce, presidente do Comitê Internacional da Câmara dos Representantes, propôs uma emenda no documento sobre a segurança nacional que possibilitasse impor mais sanções contra Moscou. De acordo com o político, a Rússia estaria violando o tratado ao instalar um novo míssil de cruzeiro, um argumento negado pela parte russa.

    No mês passado, a Comissão de Forças Armadas da Câmara dos Representantes dos EUA revelou o documento que estabelece o orçamento militar no valor de US$ 696.5 bilhões, sendo que este inclui a possibilidade de ruptura do referido tratado.

    O major-general russo Pavel Zolotarev, membro do Conselho para a Política Externa e Defesa, assegurou que as ameaças americanas de sair do Tratado INF coincidem com as tentativas de reforçar sua presença no Oriente Médio e na Ásia.

    "Os grupos de porta-aviões americanos continuam sendo vulneráveis face à China, que possui mísseis de curto e médio alcance. Acredito que os americanos consideram instalar mísseis de baseamento terrestre, atualmente proibidos, nas ilhas japonesas. Ademais, a instalação dos mísseis no Oriente Médio permitiria 'conter' o Irã", afirmou.

    O especialista resumiu que o EUA querem realmente sair do tratado, mas precisam de um pretexto para isso.

    "Tal decisão ainda não foi tomada a nível oficial. É por isso que surgem projetos de lei cujo nível profissional deixa muito a desejar. As acusações contra a Rússia são um pretexto conveniente para pôr cobro a este acordo", adiantou.

    "Eu duvido muito que a Rússia tenha se atrevido a violar o Tratado INF. A ausência de fatos na fala dos americanos apenas solidificam minha certeza. Ao mesmo tempo, os EUA, que eu saiba, planejam elaborar o Pershing III — ou seja, uma versão aperfeiçoada do complexo que até o ano de 1987 estava instalado perto das nossas fronteiras", advertiu.

    Mais:

    Washington quer introduzir mais sanções antirrussas por Moscou 'violar' Tratado INF
    Mísseis dos EUA na Polônia são uma gravíssima violação do Tratado INF, diz Moscou
    Terra, mar e ar: 3 'respostas nucleares' da Rússia a qualquer agressão
    Tags:
    mísseis balísticos, Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF), Congresso, China, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar