05:35 24 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    A Syrian man is taken by civil defence workers to a small hospital in the town of Maaret al-Noman following a suspected toxic gas attack in Khan Sheikhun, a nearby rebel-held town in Syria’s northwestern Idlib province

    Síria diz que relatório da OPAQ sobre ataque químico em Idlib é falso

    © AFP 2017/ Mohamed al-Bakour
    Mundo
    URL curta
    3079670

    O Ministério das Relações Exteriores da Síria fez um apelo para que a Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) conduza um relatório imparcial e apropriado sobre o suposto ataque químico na região síria de Idlib.

    Na última sexta-feira (30) a OPAQ afirmou que foi usado o gás sarin como arma química no ataque provocado em Idlib no dia 4 de abril.

    "A República Árabe da Síria pede à OPAQ que apresente um relatório justo e credível, sem a influência da chantagem por parte de outros países e partidos, que impedem a organização de alcançar a verdade e prejudicam sua autoridade e independência", declarou a diplomacia síria neste sábado.

    Na última sexta-feira a Coalizão Nacional das Forças da Revolução e da Oposição da Síria culpou o governo do presidente sírio Bashar Assad pelo ataque com armas químicas em Khan Shaykhun, que matou dezenas de pessoas, incluindo crianças.

    A chancelaria síria, por sua vez, enfatizou que o relatório não pode ser considerado credível, pois é baseado em fatos fornecidos por terroristas da Turquia. De acordo com o ministério, o relatório contém testemunhos de pessoas que foram subornados para falsificar fatos.

    Mais:

    Chancelaria russa: 'relatório final' da OPAQ falha em provar ataque químico de Idlib
    Moscou: afirmações dos EUA sobre ataque químico na Síria são direcionadas contra Rússia
    EUA recusam apresentar provas de suposto ataque químico que Damasco estaria preparando
    Moscou critica recentes declarações americanas sobre 'futuro' ataque químico na Síria
    Tags:
    relatório, gás sarin, armas químicas, ataque químico, OPAQ, Idlib, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik