07:13 22 Maio 2018
Ouvir Rádio
    MRE da Rússia

    Moscou responderá ao possível reforço da OTAN perto de suas fronteiras

    © Sputnik / Aleksandr Polyakov
    Mundo
    URL curta
    44111

    Moscou responderá a um possível reforço da OTAN perto das fronteiras da Rússia, afirmou o chefe do Departamento de Cooperação Europeia da chancelaria russa, Andrei Kelin.

    O diplomata russo sublinhou que a Aliança está criando na Europa armazéns de armas pesadas em vários países. Particularmente, será construído um na Polônia, sendo que há um na Holanda, outro na Alemanha.

    De acordo com ele, "estão sendo criados para que tudo esteja preparado para um possível deslocamento de novas brigadas".

    "Se estão construindo infraestrutura para um deslocamento, então depois terão lugar deslocamentos de tropas", assegurou.

    Por sua vez, o representante permanente da Rússia na OTAN, Aleksandr Grushko, afirmou que o mundo está encarando uma nova corrida armamentista, de acordo com Moscou, com as forças da OTAN presentes "em lugares onde nunca estiveram antes e onde não deveriam estar".

    Segundo o diplomata, hoje em da, pode-se observar todos os sinais de uma corrida armamentista.

    "Apesar de a OTAN afirmar que as medidas tomadas não são provocações, a reação de caráter defensivo às mudanças na área de segurança e as atividades da OTAN em construções militares indicam o contrário", afirmou o diplomata na conferência anual de segurança.

    Na cúpula de 2016 em Varsóvia, a Aliança decidiu instalar na Letônia, Lituânia, Estônia e Polônia batalhões multinacionais por rotação a pedido destes países. O secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, ao discursar na Letônia em 19 de junho deste ano, declarou que o deslocamento de batalhões, que a Aliança passou a chamar de grupos de combate, foi concluído.

    Mais:

    Tensões no Báltico: OTAN cometeu 'erro perigoso' tentando pressionar Rússia
    Especialista: intensificação de atividade de inteligência da OTAN não surpreende Rússia
    Tags:
    tensão política, atividades militares, Aleksandr Grushko, Jens Stoltenberg, Europa, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik