13:46 25 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Vista geral da sede das Nações Unidas (ONU), em Genebra

    Fontes diplomáticas: EUA querem usar ONU para legalizar interferência em terceiros países

    © AFP 2017/ FABRICE COFFRINI
    Mundo
    URL curta
    101757118

    Washington quer que as filiais regionais dos grupos terroristas Al-Qaeda e Daesh (proibidos na Rússia) sejam incluídos na lista das organizações terroristas da ONU, informa o jornal Izvestia, citando fontes na diplomacia russa.

    Caso a proposta seja aprovada, Washington, de acordo com a legislação norte-americana, poderá começar operações especiais no território de terceiros países, sublinham especialistas.

    A Rússia e alguns outros países, nomeadamente, o Egito se opõem à proposta dos EUA. O governo egípcio acha que, caso a unidade regional da Al-Qaeda seja incluído na lista mencionada, significará que as autoridades locais não conseguem por si só combater o terrorismo. Moscou também vê a iniciativa de modo cético, pois os grupos terroristas afiliados a estas organizações são na maioria pequenos, e as autoridades têm meios suficientes para os combater sem ajuda externa.

    "Tentando ampliar a lista de organizações terroristas, os norte-americanos visam legalizar, em primeiro lugar no seu próprio interesse, a interferência nos assuntos de outros países", diz-se no artigo.

    Anteriormente, a Assembleia Geral da ONU havia criado o Centro de Contraterrorismo, encabeçado pelo diplomata russo Vladimir Voronkov.

    A iniciativa tem por objetivo unificar o termo "terrorismo" em todo o mundo e criar uma lista única de organizações e indivíduos terroristas. Como informou a mídia, citando a chancelaria russa, Moscou elaborará tal lista e apresentará ao Centro.

    Mais:

    EUA podem sair de tratado histórico de desarmamento?
    Diretor da CIA: Rússia tenta, há decadas, minar a democracia dos EUA
    Tags:
    combate ao terrorismo, assuntos internos, interferência, ONU, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik