23:07 20 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Instrutores dos EUA chegam à Ucrânia

    EUA podem vir a instalar suas reservas militares na Ucrânia

    © Sputnik/ Stringer
    Mundo
    URL curta
    182181519

    O possível acordo de segurança entre a Ucrânia e os Estados Unidos prevê a instalação das reservas militares americanas no território ucraniano, afirmou o presidente da Suprema Rada (parlamento ucraniano), Andrei Paruby.

    Mais anteriormente, durante sua visita aos EUA, Paruby expressou a necessidade de firmar um acordo bilateral com Washington quanto à segurança e ao fornecimento de armas letais a Kiev.

    "O acordo prevê realização de operações especiais, desenvolvimento tecnocientífico conjunto e até instalação no território da Ucrânia das reservas militares dos EUA", disse o presidente do parlamento ucraniano, ciado pela mídia.

    De acordo com ele, tais acordos são uma prática comum para os EUA, que já têm acordos semelhantes com Japão, Austrália e com Israel. Andrei Paruby sublinhou que o documento concede o direito exclusivo de fornecer armas letais de defesa, esperando que este seja fechado em breve.

    No início de maio, o Senado norte-americano aprovou o projeto do orçamento federal para até 30 de setembro de 2017, que compreende a prestação de ajuda financeira à Ucrânia, inclusive para apoiar seu setor militar.

    A Rússia advertiu repetidamente contra os planos dos EUA de fornecer armas para a Ucrânia, pois este passo pode agravar o conflito em Donbass. A mesma opinião expressou a maioria dos políticos europeus, incluindo o novo presidente da Alemanha e ex-premiê do país, Frank-Walter Steinmeier, que qualificou tal medida como um caminho arriscado e pouco produtivo para a resolução da crise.

    Mais:

    Donetsk: reintegração de Donbass à Ucrânia levará a um conflito aberto
    Chanceler ucraniano: OTAN tem algo a aprender com Ucrânia
    Tags:
    ajuda militar, ajuda financeira, cooperação bilateral, Suprema Rada, Ucrânia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik