09:51 16 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Reunião dos chefes do Estado dos países-membros da Organização para Cooperação de Xangai (OCX), em 9 de junho de 2017 na cidade de Astana

    Ampliação da Organização para Cooperação de Xangai vai pôr fim à hegemonia ocidental?

    © Sputnik / Aleksei Nikolsky
    Mundo
    URL curta
    2231

    A ampliação da Organização para Cooperação de Zangai (OCX) marca um novo passo em direção ao mundo multipolar e ao mesmo tempo o reforço da influência do bloco euroasiático, afirma o cientista político russo Aleksandr Dugin.

    "A OCX foi criada não como uma 'OTAN asiática', mas como uma estrutura euroasiática que se opõe à globalização. A união de grandes Estados asiáticos que possuem uma enorme capacidade econômica e enormes forças estratégicas é um passo sério para a institucionalização de um mundo multipolar", declarou o especialista à Sputnik.

    Dugin adiantou que na OTAN "domina somente um país, somente uma ideologia, enquanto a OCX se compõe de países e de forças que representam civilizações diferentes com ideologias e sistemas políticos diferentes".

    "A OCX é um bloco multipolar. E isto equilibra a hegemonia americana e ocidental, converte um modelo de mundo que é imposto a todos sem alternativas em uma liberdade. Isto atribui novas possibilidades aos jogadores regionais de qualquer escala", assinalou.

    No decorrer da cúpula da OCX, que se realiza em Astana, foi celebrada uma Convenção contra o extremismo e aprovada uma declaração sobre a luta contra o terrorismo internacional. De acordo com o especialista, o Ocidente terá que tomar em consideração a postura consolidada dos países-membros da Organização.

    "Isso será um desafio que nenhuma estrutura ou coalizão internacional, nenhum bloco, poderá vencer. Se a OCX elabora uma postura consolidada sobre a luta antiterrorista, […] isso significará um ambiente absolutamente diferente para resolver o conflito sírio. Se a OCX disser 'não' a algumas ações do Ocidente, este terá que tê-lo em conta", realçou.

    Os presidentes da China, Cazaquistão, Quirguistão, Rússia, Tajiquistão e Uzbequistão assinaram um documento que concretiza a decisão de dar por terminado o processo de adesão da Índia e do Paquistão, que a partir da cúpula de junho deste ano se tornaram membros permanentes da OCX.

    Além disso, o Irã está interessado em se tornar membro permanente do grupo.

    A organização, formada em 2001 pela China, Cazaquistão, Quirguistão, Rússia, Tajiquistão e Uzbequistão, tem por objetivo fortalecer a segurança e a cooperação econômica e cultural na região euroasiática.

    Mais:

    Por que o poder militar da China provoca medo no Pentágono?
    Ministro russo propõe cooperação militar com a China até 2020
    Crescimento da China e declínio dos EUA 'estão mais rápidos do que haviam previsto'
    Tags:
    ordem mundial, hegemonia, Organização para Cooperação de Xangai, Rússia, Quirguistão, Tajiquistão, Cazaquistão, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar