04:45 15 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Bandeiras da Coreia do Norte em Pyongyang

    Coreia do Sul e Japão concordam em aumentar pressão sobre Coreia do Norte

    © flickr.com / Roman Harak
    Mundo
    URL curta
    304
    Nos siga no

    O presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, e o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, concordaram sobre a necessidade de impor mais sanções para realizar pressão contra a Coreia do Norte após o seu mais recente teste de míssil balístico.

    Na última segunda-feira (29), a Coreia do Norte lançou um míssil balístico que voou cerca de 250 quilômetros e caiu no mar do Japão (também conhecido como mar do Leste). 

    "Eu concordo com as palavras do primeiro-ministro japonês de que agora não é hora para diálogo com a Coreia do Norte, mas a hora de aumentar as sanções e a pressão", disse o presidente sul-coreano, citado pela agência de notícias sul-coreana Yonhap.

    Além disso, Moon disse que o objetivo geral das sanções é trazer a Coreia do Norte para a mesa de negociações sobre sua desnuclearização completa.

    "É por isso que a comunidade internacional deve, por um lado, responder com firmeza e, por outro lado, continuar a enviar a mensagem de que o diálogo é possível se a Coreia do Norte desistir de seu desenvolvimento nuclear", sublinhou Moon. 

    As tensões na Península Coreana aumentaram de forma severa recentemente em meio aos testes nucleares de Pyongyang e lançamentos de mísseis balísticos conduzidos, violando as resoluções do Conselho de Segurança da ONU.

     

    Mais:

    Coreia do Norte: EUA provocam uma guerra nuclear enviando bombardeiros à península
    'Rezem por mim', diz suspeita de assassinato do meio irmão de líder da Coreia do Norte
    'Nova Guerra da Coreia' poderia gerar crise de refugiados de grandes proporções na Ásia
    Coreia do Norte cria escudo de mísseis nucleares
    Tags:
    míssil balístico, programa nuclear, península coreana, Shinzo Abe, Moon Jae-in, Mar do Japão, Coreia do Sul, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar