15:41 21 Julho 2017
Ouvir Rádio
    Sede da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) em Bruxelas, na Bélgica (arquivo)

    Moscou: OTAN pode ajudar na luta contra o terrorismo se esse for seu objetivo

    © Sputnik/ Yuriy Somov
    Mundo
    URL curta
    239320

    O vice-chanceler russo Gennady Gatilov afirmou hoje, em conversa com jornalistas, que a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) pode, sim, contribuir para a derrota do grupo terrorista Daesh na Síria, desde que esse seja o verdadeiro objetivo da aliança militar ocidental.

    "Se eles [OTAN] tiverem outra agenda política ou outras missões, então isso pode colocar tudo em questão", explicou o vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia

    De acordo com Gatilov, Moscou submeteu ao Conselho de Segurança da ONU um projeto de resolução sobre o estabelecimento de zonas de desescalada no território sírio, mas, até agora, o documento não foi apreciado. 

    "Não há discussão específica ainda, mas acreditamos que outros formatos de negociação precisam ser considerados sobre esse aspecto. Em particular, os possíveis próximos encontros em Astana. Depois, julgando por isso, veremos como ficam as coisas com a resolução", acrescentou. 

    No último dia 4, Rússia, Irã e Turquia assinaram um memorando para o estabelecimento de zonas seguras na Síria. Essas quatro zonas, que incluem a província de Idlib e partes de Latakia, Hama e Aleppo, entrou em vigor no dia 6. 

    Twitter

    Siga Sputnik Brasil no Twitter e fique por dentro das notícias mundiais do momento.

    Mais:

    Lavrov: Zonas de Segurança deverão se multiplicar por toda a Síria
    Caças da OTAN realizam quatro interceptações de aviões russos no Báltico
    Síria não permitirá que forças lideradas pela ONU estejam presentes em zonas de segurança
    Egito é a favor da criação de uma 'OTAN árabe', mas contra confrontação com Síria
    Tags:
    zonas de segurança, Conselho de Segurança da ONU, ONU, Gennady Gatilov, Idlib, Aleppo, Hama, Latakia, Cazaquistão, Astana, Turquia, Irã, Síria, Moscou, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik