11:42 05 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, durante coletiva de imprensa

    Presidente sul-coreano diz que existe 'alta possibilidade de guerra' com Coreia do Norte

    © AP Photo / JungJ Yeon-Je/Pool Photo
    Mundo
    URL curta
    928
    Nos siga no

    Em meio ao desenvolvimento do sistema de mísseis THAAD na Coreia do Sul e mais um recente lançamento de míssil balístico bem sucedido pela Coreia do Norte, o novo presidente sul-coreano, Moon Jae-in, declarou que existe uma "alta possibilidade" de guerra.

    Pouco depois do presidente recém-eleito ter declarado sua intenção de reabrir as negociações com a Coreia do Norte, o líder moderou sua sugestão afirmando que um conflito armado com seu vizinho do norte era provável.

    "A realidade é que há uma possibilidade elevada de um conflito militar na Linha de Limite Norte e na linha de demarcação militar", disse Moon, citado pela agência Reuters. 

    As declarações de Moon seguem as declarações de oficiais de Pyongyang que reiteram suas provocações contra a proibição do Conselho de Segurança da ONU sobre armas nucleares e mísseis balísticos.

    Na madrugada do último domingo (horário de Pyongyang), a Coreia do Norte realizou o lançamento de um míssil balístico nos arredores de Kusong, na província de Pyongan Norte. O míssil percorreu, em 30 minutos, quase 800 quilômetros e caiu no mar do Japão, a 400 quilômetros ao leste da Península da Coreia. Segundo o governo japonês, o míssil atingiu uma altura superior a dois mil quilômetros.

    Mais:

    Coreia do Sul vai tentar convencer EUA para apontar THAAD para norte para acalmar China
    Bomba nuclear não é única arma mortal da Coreia do Norte
    EUA estão dispostos a dialogar com Coreia do Norte, mas só com fim dos testes de mísseis
    Seul duvida que Coreia do Norte tenha tecnologia para fazer retornar mísseis à atmosfera
    Tags:
    península, míssil, guerra, THAAD, ONU, Moon Jae-in, EUA, Coreia do Sul, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar