19:14 21 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Kim Jong-un durante a comemoração dos 60 anos do fim da Guerra das Coreias, em 2013 (foto de arquivo)

    Suécia ainda espera cobrar dívida de Pyongyang dos anos 70

    © Sputnik / Ilia Pitalev
    Mundo
    URL curta
    220

    Primeiro a Coreia do Norte, provavelmente o país mais isolado do mundo, surpreendeu o mundo ao afirmar estar pronto para pagar sua dívida à Finlândia de 26 milhões de euros (R$ 90,7 milhões). Posteriormente, a Suécia lembrou que Pyongyang também deve dinheiro para ela. No entanto, avisar para quê? Dívidas nunca são esquecidas.

    Em 1974, a Coreia do Norte ordenou a compra de 1.000 Volvo 144 sedãs junto com outros produtos suecos. A compra foi feita, mas Suécia não recebeu nem uma só coroa. Entretanto, a dívida subiu para um absurdo de 2,7 bilhões de coroas suecas (R$ 1 bilhão, aproximadamente).

    Os carros Volvo, que hoje têm mais de 40 anos de idade, continuam circulando na Coreia do Norte. O fato de a dívida em questão ser a maior de um só país com a Suécia dá mais um tom de singularidade nela.

    "Originalmente, a dívida era de 600 milhões de coroas suecas (R$ 217 milhões) com várias empresas. O acordo mais discutido era o de carros Volvo, enquanto entre outros exportadores estavam Atlas Copco, Asea, Kockums, Alfa Laval e algumas companhias pequenas", disse Carina Kampe da Comissão de Crédito para Exportação à televisão nacional sueca SVT.

    Quando acabou a guerra da Coreia em 1953, companhias suecas ficaram esperançosas em ganhar dinheiro na Coreia, o que melhorou os contatos diplomáticos. Em abril de 1973, A Suécia se tornou o primeiro país ocidental a reconhecer a República Popular Democrática da Coreia. Em seguida, os produtos foram ordenados e fornecidos, mas nenhum dinheiro foi pago. Além dos carros Volvo, o líder norte-coreano Kim Il-sung também adquiriu equipamento naval da Asea e máquinas de mineração da Atlas Copco. As empresas suecas, por não receberem pagamento, forçaram o governo sueco a agir, o que finalmente levou a instituição da embaixada da Suécia em Pyongyang, sendo mais uma vez o primeiro país a fazê-lo. Mas isso não ajudou a resolver o problema com a dívida, que continuou crescendo.

    "A Comissão de Crédito para Exportação concluiu um acordo com a Coreia do Norte, onde foi determinada a dívida. Duas vezes por ano, a comissão avisa sobre o pagamento de acordo com os termos. Mas, na maioria das vezes, não recebemos resposta alguma", disse Carina Kampe à SVT.

    Pak Yun Sik, o chefe do departamento da Europa do Norte do Ministério das Relações Exteriores norte-coreano, reconheceu a dívida em entrevista com a correspondente da SVT, Susan Ritzén, dizendo que as autoridades estavam analisando-a.

    Pak Yun Sik explicou que a situação na Coreia do Norte, há muito tempo, está passando por momentos difíceis com a econômica apesar das esperanças. Em comparação a fome norte-coreana dos anos 90, Pak Yun Sik afirmou que a situação está muito melhor agora e por isso é que seu país está pronto para continuar cooperando com a Suécia.

    "Acho que se tivermos uma cooperação mais intensiva nas áreas cultural e econômica, seremos capazes de resolver problemas no futuro", contou Pak Yun Sik para a SVT.

    Em 2008, a rádio estatal da Coreia do Norte chamou a Suécia de "cachorro americano" e de inimigo do país. Porém, a dívida aos "imperialistas" em questão ainda não foi paga.

    #volvo 144 #sweden #swedishclassic #classiccar #vintagecar #carsofinstagram #cargram #car #oldtimer

    Uma publicação compartilhada por drivenews (@drivenews_at) em Set 25, 2016 às 11:44 PDT

    Mais:

    Coreia do Norte: EUA e Coreia do Sul tentaram assassinar Kim Jong-un
    China para Estados Unidos e Coreia do Norte: ’Parem de irritar um ao outro’
    Tags:
    dívida externa, acordo comercial, Volvo, Kim Jong-un, Suécia, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik