13:46 12 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Glaceiro no Parque Nacional dos Fiordes de Kenai. 1 de setembro 2015. Seward, Alasca.

    'Estado americano do Alasca seria mais desenvolvido se fosse governado por Moscou'

    © AFP 2019 / MANDEL NGAN
    Mundo
    URL curta
    769
    Nos siga no

    Hoje em dia, o Alasca poderia ser uma região mais desenvolvida se fosse governada pela Rússia, já que Moscou, se não tivesse vendido o Alasca nos finais do século XIX, se teria focado no desenvolvimento da península do ponto de vista da segurança nacional, disse à Sputnik um alto responsável do governo do Alasca, Craig Fleener.

    "Pode-se analisar esta questão de dois pontos de vista: por exemplo, do ponto de vista da segurança nacional. Se a Rússia tivesse entendido o Alasca como uma região estratégica, principalmente graças à sua posição geográfica e proximidade do Canadá e dos EUA, provavelmente os russos teriam desenvolvido o Alasca tentando garantir a sua segurança nacional. Isto, por sua vez, teria levado ao desenvolvimento do petróleo, gás natural e recursos minerais. Por isso, talvez, a região [atualmente] fosse mais desenvolvido no que se trata das garantias de segurança", afirmou Fleener, conselheiro para as políticas no Ártico do governo regional do Alasca.

    Ao mesmo tempo, o responsável frisou que não há hipótese de o Alasca voltar a pertencer à Rússia. "Não acho que os EUA nos deixem. E não acho que os residentes do Alasca concordem com tal devolução [deste estado à Rússia]", sublinhou.

    "Porém, apreciamos a herança russa que há no Alasca. Temos uma grande comunidade russa, muitas pessoas falam russo, e estamos orgulhosos disso. Queremos ter relações boas e fortes com a Rússia por várias razões, somos historicamente ligados e isto é muito importante para o Alasca", adiantou, especificando que uma das direções potenciais de cooperação é o desenvolvimento dos laços na esfera de monitoramento e supervisão de tráfego marítimo, bem como a assistência aos navios que sofrem naufrágios no mar de Bering.

    Em março de 1867, por decisão do Imperador Alexandre II, o Alasca foi vendido aos EUA ao preço de 7 milhões 200 milhares de dólares em ouro. A cerimônia oficial de entrega se deu em Novoarkhangelsk em 6 de outubro do mesmo ano.

    Mais:

    Putin e Medvedev inspecionam avanços científicos no Ártico russo
    Rússia e China expandem cooperação para a exploração do Ártico
    Regulação efetiva: Ártico não é campo de batalha
    Tags:
    venda terras estrangeiras, gás natural, petróleo, desenvolvimento econômico, herança, Alasca, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar