05:45 24 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    A bandeira americana em um veículo vibra quando o sol se põe atrás da cúpula do Capitólio dos EUA nas horas antes de o presidente Barack Obama entregar o discurso do Estado da União a uma sessão conjunta do Congresso em Washington em 12 de janeiro de 2016

    Batalha judicial: Decreto de Trump é temporariamente suspenso por juiz de Seattle

    © REUTERS/ Jonathan Ernst
    Mundo
    URL curta
    947524

    Decreto do presidente dos EUA, Donald Trump, que visa "impedir a entrada de terroristas estrangeiros nos EUA" foi temporariamente suspenso por uma liminar nesta sexta-feira (3).

    Uma semana após a assinatura da ordem executiva que impede a entrada de refugiados e restringe a imigração de sete países, uma liminar de um juiz federal de Seattle suspendeu o decreto a nível nacional. 

    Os pedidos para bloquear a ordem executiva foram acatados nesta sexta-feira (3) pelo magistrado.

    Os advogados do governo federal afirmaram que Estados não têm autonomia para contestar um decreto presidencial, mas o argumento foi indeferido pelo juiz James Robart, desdobrando uma batalha judicial em torno da ordem executiva de Donald Trump. 

    Trump assinou na sexta-feira (27) uma ordem executiva para impedir a entrada de refugiados nos Estados Unidos por 120 dias. Por tempo indeterminado, ele também suspendeu a acolhida aos refugiados sírios, e ainda restringiu a imigração do Irã, do Iraque, da Líbia, da Somália, do Sudão e do Iêmen, todos países de maioria muçulmana.

    A Casa Branca defendeu a ordem como necessária para proteger os Estados Unidos contra extremistas islâmicos.

    Mais:

    Obama vs Trump: 7 guerras e um decreto
    EUA negaram entrada a 720 pessoas de 7 países após decreto de Trump
    Trump demite procuradora-geral após desafio ao seu decreto antiterrorismo
    Procuradora-geral dos EUA desafia Trump e proíbe defesa legal do decreto antiterrorista
    Tags:
    liminar, decreto, terroristas, imigração, refugiados, Donald Trump, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik