07:10 03 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    281118
    Nos siga no

    O presidente dos EUA, Donald Trump, disse que o Irã está "brincando com o fogo", acrescentando que ele, Trump, não será "tão bom" em relação ao país como foi o ex-líder norte-americano Barack Obama.

    "O Irã está brincando com o fogo — eles não dão valor à 'bondade' que o presidente Obama lhes demonstrou. Mas eu não serei assim!", postou Trump no seu Twitter.

    Após a declaração, o chanceler iraniano, Mohammad Javad Zarif, postou uma mensagem no Twitter dizendo que Teerã é "indiferente" às ameaças. "Nós nunca iniciaríamos uma guerra, podemos contar apenas com nossos próprios meios defensivos", acrescentou.

    ​Na quarta-feira (1), o conselheiro do presidente para assuntos de segurança, Michael Flynn, comunicou que a Casa Branca advertiu formalmente o Irã por este realizar testes de mísseis.

    Passado um dia, Trump confirmou as palavras de Flynn, dizendo que Teerã foi "oficialmente avisado por ter lançado um míssil balístico".

    O conselheiro sênior do o líder supremo iraniano comentou tais declarações, afirmando que Teerã continuará realizando testes de mísseis em conformidade com seu programa de defesa e que as advertências norte-americanas são um "blefe".

    No meio de muitas críticas e especulações quanto aos alegados testes de mísseis por parte do Irã no início desta semana, o ministro iraniano da Defesa, Hossein Dehqan, confirmou que o país realizou testes de lançamentos de mísseis em conformidade com o programa nacional de defesa.

    Dehqan também ressaltou o fato destes testes não terem violado nem o Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, Joint Comprehensive Plan of Action), nem a Resolução da ONU №2231.

    Em julho de 2015, o Irã, a União Europeia e o grupo de países P5+1 assinaram o JCPOA, visando garantir a natureza pacífica do programa nuclear do Irã. Segundo este acordo, o Irã promete se abster do desenvolvimento ou compra de armas nucleares em troca do levantamento das sanções impostas contra Teerã. A resolução da ONU foi ratificada pouco depois e cimentou o respectivo acordo nuclear.

    Mais:

    Irã: decreto de Trump é 'presente para extremistas'
    EUA e Arábia Saudita defendem 'aplicação estrita' do acordo nuclear com Irã
    Conselho de Segurança da ONU fará reunião urgente sobre teste de mísseis no Irã
    Tags:
    Irã, EUA, Mohammad Javad Zarif, Donald Trump, ONU, programa nuclear iraniano, testes de mísseis
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar