02:17 24 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Soldado britânico em exercícios militares da OTAN no leste da Europa em 21 de abril de 2015

    'OTAN busca neutralizar Rússia para se tornar único ator militar global'

    © REUTERS / Radu Sigheti
    Mundo
    URL curta
    27161

    A OTAN se encontra em uma escalada de tensão tanto militar como informática com Moscou e tem por objetivo "neutralizar a Rússia" para se tornar o "único ator militar global", assegurou o deputado europeu da Esquerda Unida, Javier Couso, durante conferência em Madri.

    Na opinião de Couso, a estratégia da OTAN e da União Europeia contra Rússia é "muito agressiva" e busca — através de ferramentas militares e controle da opinião pública — "impedir retorno à paridade estratégica no panorama global".

    O deputado e vice-presidente da Comissão de Assuntos Exteriores do Parlamento Europeu considera que as sociedades ocidentais estejam perante uma "regressão fluída de pensamento" que "não nos permite compreender o que está acontecendo", pois o mundo está "se reposicionando politicamente" e tais mudanças estão acontecendo a uma grande velocidade.

    "As guerras se desenrolam através de uma vertente militar, mas também através de uma vertente não militar", explicou Couso, referindo-se a "guerras de 4ª geração ou de baixa intensidade" nas quais são utilizados "elementos não convencionais".

    Ademais, continuou o analista, as organizações não governamentais, como a Open Society (Sociedade Aberta) de George Soros, desempenham um papel importante dentro destes elementos não convencionais, já que se dedicam a "subverter a ordem internacional" e "elevar a temperatura da panela de pressão [onde é cozinhada] a guerra informativa".

    Segundo Couso, hoje em dia, a Rússia está no centro destas estratégias comunicativas. Já, no passado, no centro estavam outros países como Cuba, Venezuela ou Síria, acrescenta.

    Em outras palavras, os EUA, através da OTAN e com o apoio da UE, seguem tentando impor "uma agenda globalizadora neoliberal", atribuindo à Rússia um "papel subalterno, contido, desindustrializado e inclusive perturbador".

    Neste sentido, Couso assegurou que Washington continua atuando em concordância com as teorias de Zbigniew Brzezinski, ex-conselheiro de Segurança Nacional dos Estados Unidos durante a presidência de Jimmy Carter.

    Segundo o político, as teorias de Brzezinski, que se referem à Eurásia como parte essencial para a dominação global dos EUA, continuam sendo uma "substância cinzenta" da política exterior de Washington e podem ser percebidas através das declarações proferidas durante as cúpulas da Aliança no País de Gales e em Varsóvia que "assinalam diretamente a Rússia como principal inimigo da OTAN".

    "Estas palavras foram acompanhadas por tais ações como, por exemplo, as manobras perto do Kaliningrado russo e os envios de tropas para perto da fronteira", explicou Couso.

    "A partir de 1997, OTAN começa sua expansão para o Leste" e, entre outras coisas, "são rompidos os acordos verbais adotados após o colapso da União Soviética sobre o não posicionamento das forças estratégicas ocidentais perto da fronteira da Rússia", insistiu o deputado europeu.

    O deputado da Esquerda Unida assinalou como parte do "cerco", que esta sendo estabelecido em torno da Rússia, a resolução do Parlamento Europeu contra as mídias russas "propagandistas" como a Sputnik e o canal RT.

    Mais:

    Opinião: OTAN deve deixar de ser bloco antirrusso
    Caças da OTAN continuam realizando voos de treinamento perto da Rússia
    Deputado alemão: OTAN se tornou obsoleta e apenas agrava crises
    Tags:
    expansão, política externa, confrontação, União Europeia, OTAN, George Soros, Rússia, EUA, Europa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik