20:47 23 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Oficiais e soldados do Exército de Libertação Popular da China numa base militar em Pequim

    Trump pretende formar novo triângulo político para conter China?

    © REUTERS / Damir Sagolj
    Mundo
    URL curta
    601114

    A administração do presidente dos EUA, Donald Trump, herdou as políticas de Barack Obama na Ásia que são focadas na contenção da China.

    Foi assim que especialistas russos comentaram o convite de Donald Trump ao primeiro-ministro da Índia Narendra Modi para visitar a Casa Branca, bem como o empenho do premiê japonês, Shinzo Abe, de se tornar o primeiro líder na Ásia a se reunir com Trump em Washington.

    O jornal South China Morning Post informou que a conversa telefônica entre os dois líderes, realizada em 24 de janeiro, resultou no convite do presidente dos EUA endereçado para o líder indiano. Vale destacar que Trump qualificou a Índia como um amigo e parceiro fiel na solução de desafios globais. Ambos concordaram em trabalhar em conjunto nos próximos dias em prol do desenvolvimento das relações bilaterais. Por seu turno, o presidente dos EUA recebeu o convite de Modi para visitar a Índia.

    Pyotr Topychkanov, especialista da Academia de Ciências da Rússia, expôs à Sputnik China a sua opinião destacando que o líder indiano tem esperanças realistas quanto ao fortalecimento dos laços com os EUA. Segundo ele, Modi precisa que o papel da Índia como parceiro crucial americano aumente no contexto das tensões no assim chamado triângulo China-Índia-EUA.

    "Para Modi e para Índia chefiada por ele, a China representa uma crescente ameaça", assinala Topychkanov.

    Na opinião dele, "durante a presidência de Trump, os EUA vão oferecer apoio mais evidente à Índia no contexto das suas relações com a China".

    Apesar do contato entre Modi e Trump, o premiê japonês Shinzo Abe poderá se tornar o primeiro líder asiático a se reunir com o presidente norte-americano. Segundo a agência japonesa Kyodo, que cita Michael Flynn, assessor de Trump para a segurança nacional, o presidente dos EUA "está aguardando com muita impaciência a reunião com o primeiro-ministro Shinzo Abe durante a qual poderão trocar opiniões em vários assuntos".

    Ainda durante a campanha eleitoral de Trump, Flynn destacou que Trump não pretende mudar o formato da cooperação com o Japão na área da defesa.

    Por sua vez, Natalia Zamaraeva, especialista do Instituto de Estudos do Oriente, opinou em entrevista à Sputnik China que as visitas acima mencionadas podem ser um sinal de novos exercícios militares marítimos dos EUA com o Japão e Índia.

    Segundo ela, o Paquistão "sempre recebe sinais dos EUA dirigidos a Nova Deli, de maneira dolorosa".

    No entanto, ressalta Zamaraeva, vários analistas prognosticam a melhora das relações entre os EUA e o Paquistão, que se agravaram ainda mais no ano passado.

    Há também mais uma notícia. Em 25 de janeiro, a mídia ocidental informou que, na próxima semana, o novo secretário de Defesa dos EUA, James Mattis, visitará o Japão e a Coreia do Sul. Entre as questões prioritárias que ele pretende discutir com Abe estão aumento das atividades chinesas no mar do Sul da China e o programa nuclear da Coreia do Norte.

    Aleksei Fenenko, especialista em relações internacionais da Universidade Estatal de Moscou, ressalta que, a administração de Trump continua aplicando a política de Obama em relação à China.

    "Não foi Trump, mas sim Obama que em 2010 inventou a política da 'contenção renovada' da China, ao distinguir três vetores. O primeiro são a Austrália e a Nova Zelândia, o segundo – Vietnã, Singapura e reforço da presença militar nas Filipinas e o terceiro – ampliação da aliança militar com o Japão e participação da Coreia do Sul nesta aliança", explica Fenenko.

    O especialista em relações internacionais da Academia da Diplomacia da China, Ren Yuanzhe, compartilha a opinião de Fenenko e destaca que o Japão e a Índia são países de grande importância estratégica para os EUA.

    O Japão é um aliado importantíssimo dos EUA no Círculo do Pacífico. O rumo da cooperação entre o Japão e os EUA é proveniente de George W. Bush até Obama e se repete na administração de Trump, tudo é consecutivo e inalterável.

    Yuanzhe também falou da importância da Índia para os EUA:

    "A cooperação entre os EUA e a Índia tem vários vetores e inclui a área militar, política e economia, por isso a administração de Trump não se esquecerá da Índia", frisa.

    O especialista chinês conclui que o Japão e a Índia são os vizinhos da China no Ocidente e Oriente que possuem uma importância estratégica no contexto do crescimento equilibrado chinês.

    Mais:

    Exército da Índia conta com hi-tech para defender suas bases militares
    Plano de deslocamento: Primeiro caça norte-americano F-35 chega ao Japão
    Tags:
    tensões, exercícios militares, contenção, visita, convite, South China Morning Post, Sputnik, Michael Flynn, Shinzo Abe, Narendra Modi, Donald Trump, Coreia do Sul, Coreia do Norte, Paquistão, Índia, Japão, EUA, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik