19:56 22 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Os membros da Organização dos Mujahidin do Povo Iraniano (MEK)

    Trump é pressionado a negociar com grupo que EUA consideravam terrorista

    © AP Photo / Brennan Linsley
    Mundo
    URL curta
    460
    Nos siga no

    Os interesses de Washington serão prejudicados se o próximo presidente norte-americano, Donald Trump, decidir negociar com a Organização dos Mujahidin do Povo Iraniano (MEK), afirmou Sina Azodi, especialista naturalizado norte-americano em política externa iraniana e nas relações americano-iranianas, em entrevista à Sputnik.

    Durante conversa com a Sputnik Internacional, Sina Azodi, especialista naturalizado norte-americano em política externa iraniana e nas relações americano-iranianas, advertiu que caso o presidente eleito dos EUA, Donald Trump, decida se sentar à mesa das negociações com a MEK, os interesses de Washington serão brutalmente desprezados.

    A entrevista foi efetuada após uma série de ex-oficiais norte-americanos terem apelado ao presidente eleito, Donald Trump, para que ele dialogasse com o grupo iraniano exilado — o Conselho Nacional de Resistência.

    A organização se apresenta como alternativa à teocracia iraniana e visa mudar o regime na República Islâmica. Um dos componentes do grupo é conhecido como a MEK, que era denominada como uma organização terrorista pelos EUA entre os anos de 1997 e 2012.

    "A administração de Trump não deve falar com a MEK, já que isso pode prejudicar os interesses dos EUA a longo prazo", afirmou Sina Azodi à Sputnik Internacional.

    De acordo com o especialista, as possíveis conversações de Trump com a MEK poderiam ser usadas como uma medida de pressão pelos políticos iranianos que seguem um rumo duro na política interna ao lidar com o governo moderado do país.

    Ao falar de como as próprias autoridades iranianas veem as potenciais conversações entre a administração de Trump e a MEK, Azodi disse que "eles [o governo iraniano] devem estar preocupados, mas não acredito que estejam alarmados".

    Ele se mostrou moderadamente otimista quanto ao desenvolvimento das relações entre Washington e Teerã no governo Trump e a situação ao redor do acordo nuclear iraniano.

    "Eu não acho que algo grave ocorra", disse Azodi, acrescentando que as possibilidades de desenvolvimento de boas relações entre Irã e EUA são maiores com o partido republicano no poder norte-americano.

    Ao longo da década de 70, a MEK encabeçou uma campanha contra o xeique iraniano apoiado pelos EUA e efetuou ataques contra alvos norte-americanos. Entretanto, em uma carta recente a Trump, ex-oficiais dos EUA afirmaram que a designação da MEK como grupo terrorista foi feito sob pressão de Teerã.

    Os signatários da carta também apelaram a Trump para que fossem tapadas as lacunas que obstaculizam o acordo nuclear iraniano e para que fosse reorientada a política dos EUA quanto a Teerã e a sua violação dos direitos humanos. Os representantes da equipe de transição de Trump ainda não responderam a tal pedido e não deram comentário algum sobre o assunto.

    Entretanto, analistas dizem que quaisquer conversações com a MEK seriam um desvio drástico da política norte-americana, assinalando que qualquer vestígio de apoio dos EUA na mudança do poder iraniano aumentará a tensão os países muito rapidamente.

    Mais:

    Irã diz que não vai renegociar termos de acordo nuclear com Trump
    EUA: Ações navais do Irã no estreito de Ormuz podem 'escalar tensões'
    Navio militar dos EUA abre fogo de aviso contra lanchas do Irã
    Tags:
    resistência, negociações, MEK, Casa Branca, Donald Trump, EUA, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar