15:09 20 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Cidade antiga de Palmira (Síria)

    O mais importante é saber quem está por trás das negociações sobre Síria em Astana

    © Sputnik / Mikhail Voskresensky
    Mundo
    URL curta
    251
    Nos siga no

    As negociações sobre a Síria em Astana são um elemento importante na resolução da crise síria apesar das ações dos EUA, mas, segundo o político sírio Al-Ahmad, não é tão importante saber quem se senta à mesa de negociações na capital do Cazaquistão, mas quem está por detrás delas.

    O presidente da Federação da Rússia, Vladimir Putin, declarou recentemente ter chegado a acordo com o seu homólogo turco, Recep Tayyip Erdogan, sobre a proposta das partes em conflito na Síria de continuar as negociações de paz em uma nova plataforma em Astana. Segundo as palavras dele, a nova plataforma poderá completar as negociações em Genebra. O presidente do Cazaquistão, Nursultan Nazarbayev, no decurso de conversas telefónicas com Putin e Erdogan, apoiou essa iniciativa e expressou a disponibilidade para realizar essas negociações na capital do Cazaquistão.

    Espera-se que as negociações sejam realizadas em Astana em 23 de janeiro e em Genebra em 8 de fevereiro, afirmou o político à RIA Novosti.

    Segundo antes declarou o porta-voz do presidente russo, Dmitry Peskov, as negociações sobre a Síria em Astana e em Genebra não estão competindo entre si, poderão ser mutualmente complementares. Além disso, o chefe da Chancelaria russa, Sergei Lavrov, afirmou que o objetivo principal do encontro em Astana é fortalecer o regime de trégua na República Árabe Síria e acordar a participação de comandantes na regulação da crise síria.

    No início dessa semana foi informado que alguns grupos radicais armados, incluindo a parte do Exército Livre da Síria (ELS) e Jaish al-Islam, concordaram em participar das negociações que irão ocorrer em Astana. De acordo com alguns dados, os grupos armados irão ser representados por um bloco único, liderado por Muhammad Alush.

    "É necessário sermos realistas. É impossível atingir paz por via de negociações políticas se houver terrorismo. Por isso, essa plataforma deve existir [negociações em Astana] e irá influir no resultado — um acordo entre todas as forças políticas na Síria sobre o futuro da República Árabe da Síria. Por detrás dos que irão negociar em Astana estão forças regionais, ou seja, o Qatar  e outros que estão apoiando e financiando os grupos terroristas. O mais importante não é quem se senta [à mesa de negociações], mas quem está por trás. Pois, sem negociações com a Turquia, não irão se sentar à mesa de negociações", opina Al-Ahmad.

    Mais:

    ONU participará das negociações sobre Síria em Astana
    Teerã é contra a participação dos EUA nas negociações sobre Síria em Astana
    ONU e administração de Trump podem participar das negociações sobre Síria em Astana
    Por que Arábia Saudita quer se juntar à luta contra Daesh na Síria e Iraque?
    John Kerry diz ter esperança que Trump compareça a negociações de paz na Síria
    Tags:
    crise síria, resolução pacífica, grupos terroristas, compromisso, plataforma, negociações de paz, Exército Árabe Sírio, Jaish al-Islam, Chancelaria, Nursultan Nazarbayev, Sergei Lavrov, Recep Tayyip Erdogan, Dmitry Peskov, Vladimir Putin, Genebra, Turquia, Qatar, EUA, Rússia, Cazaquistão, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar