23:32 17 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Militares norte-americanos participam da cerimônia na base aérea Lackland, Texas, EUA (foto de arquivo)

    Guerra Fria está se aproximando do fim?

    © AP Photo/ Eric Gay
    Mundo
    URL curta
    360

    Com a presidência de Trump, a situação poderá mudar: "sim" ao diálogo com a Rússia, "não" às sanções. A Itália, através do premiê Paolo Gentiloni, está aberta a Moscou e poderá desempenhar um papel crucial na Europa, ajudando a melhorar as relações com a Rússia.

    O presidente eleito dos EUA, Donald Trump, durante sua companha eleitoral, declarou estar disposto a cooperar com a Rússia e deixar de lado a política da guerra fria, conduzida pelo seu antecessor. Ele também afirmou ser possível cancelar as sanções impostas à Rússia.

    Apesar de muitos países, em particular os da Europa Oriental, serem hostis quanto à Rússia, Itália poderá chefiar o movimento de cancelamento das sanções antirrussas.

    A Sputnik Itália entrevistou Raffaele Marchetti, docente de assuntos internacionais da Universidade de Luiss Guido Carli.

    Sputnik Itália: Segundo Paolo Gentiloni, guerra fria contra a Rússia não será benéfica para ninguém. As boas relações russo-italianas é uma constante da política exterior dos dois países?

    Raffaele Marchetti: As sanções agravaram a situação. Mas há dois fatores: Brexit e eleição de Trump, que poderão ser responsáveis por mudanças nas relações entre UE e Rússia que levem à diminuição ou, até mesmo, cancelamento das sanções.

    SI: Com a chegada de Trump, a situação está mudando. Quais são as chances de melhoramento das relações entre Ocidente e Rússia?

    RM: Claro que Trump declarou muitas vezes seu desejo de manter boas relações com a Rússia, diferentemente da maneira assumida pela presidência de Obama. Mas os ministros da Defesa e da Chancelaria mostraram atitude contrária em relação à Rússia da expressa por Trump. É necessário esclarecer a situação.

    No entanto, mesmo com a presidência de Trump, não será fácil melhorar as relações com a Rússia.

    SI: A Itália poderá desempenhar a função de ponte geopolítica entre Europa e Rússia?

    RM: Sim, tradicionalmente, Itália e Alemanha desempenham função de "ponte" entre Europa e Rússia. Eles serão responsáveis pela criação das condições para renovar o diálogo. Em ambos os países, serão realizadas eleições em 2017. É um período de transição. Além disso, a situação da campanha eleitoral é complicada, o governo alemão já expressou sua inquietude ligada a hackers russos. Tudo isso poderá agravar a situação.

    SI: No contexto geopolítico geral, a tensão entre Rússia e EUA é inevitável? Podemos chamá-la de Guerra Fria?

    Estrela de rubi de uma das torres da fortaleza do Kremlin. Ao fundo, Grande palácio do Kremlin (foto de arquivo)
    © Sputnik/ Aleksei Druzhinin/Anton Denisov/Serviço de imprensa do presidente russo
    RM: Não acredito que a situação continue para sempre assim, observamos uma mudança no quadro geopolítico. Em longo prazo, vemos o declínio do Ocidente — da Europa e dos EUA. Por outro lado, observamos o crescimento de poder dos países que não fazem parte da aliança ocidental, primeiramente, China, Índia e Rússia, país que une os continentes europeu e asiático.

    E agora, quando o Ocidente está prestes a perder a posição de líder geopolítico mundial, torna-se fundamental a negociação dela com países que não fazem partes da Aliança — com Rússia e China.

    SI: Que cenário podemos esperar?

    RM: Se os países decidirem competir uns com os outros, a situação não será tranquila, presenciaremos competições, esperamos que não haja guerra. Se os países desenvolverem diálogo, seria necessário rever algumas regras do jogo da politica exterior. O período será instável, mas poderá ser pacífico.

    Mais:

    Não à corrida nuclear: Rússia está pronta a reduzir armas nucleares junto com os EUA
    'Serviços secretos dos EUA tentaram recrutar diplomata russo na farmácia'
    Obama: americanos confiam na Rússia mais que no governo dos EUA
    Segundo Trump, prioridade militar dos EUA será o combate ao Daesh
    Serviços secretos alemães: Rússia mina relações entre Europa e EUA
    Tags:
    competição, diálogo de paz, ponte, geopolítica, eleições nos EUA, Brexit, Departamento de Defesa dos EUA, Barack Obama, Paolo Gentiloni, Donald Trump, Rússia, Alemanha, Itália, Europa, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik