05:07 18 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Donald Trump - foto de arquivo de 2014

    CNN: antes da corrida presidencial Trump apoiava sanções contra a Rússia

    © AFP 2017/ Jewel Samad
    Mundo
    URL curta
    214

    O canal de TV norte-americano CNN publicou uma seleção de fragmentos de entrevistas nos quais o atual presidente eleito dos EUA Donald Trump apoiava a introdução das sanções contra a Rússia.

    Para além disso e de acordo com os excertos de entrevistas, Trump na altura chamou a Rússia “do maior problema para os Estados Unidos”.

    Em particular, na entrevista ao canal de TV Fox News feita em 24 de março de 2014, o então presidenciável do Partido Republicano apoiou seu colega de partido Mitt Romney, que classificou a Rússia como "o adversário geopolítico número um".

    "Mitt foi correto quando disse que a Rússia é o nosso maior problema," disse Trump, segundo o divulgado.

    Em outra entrevista ao canal de TV NBC, que teve lugar em 14 de março de 2014, o bilionário declarou diretamente sobre a necessidade de introduzir sanções.

    "Nós certamente devemos introduzir as sanções. Nós devemos m

    ostrar força. Putin interceptou com sucesso a iniciativa a Obama, a nossa iniciativa, e está fazendo isso por muito tempo", disse citado pela CNN.  

    Além disso, os jornalistas do canal de TV destacam que as anteriores declarações do atual presidente eleito são bastante diferentes da retórica relativamente à Rússia que ele começou a usar no início da sua campanha eleitoral.

    A representante oficial do Ministério das Relações Exteriores da Rússia Maria Zakharova comentou a informação divulgada pela CNN por meio de uma publicação em seu Facebook.

    "Já começou a histeria por lá. Durante um ano estavam propagando histórias de que Trump é um presidente pró-russo. Agora decidiram que é hora de fazer as coisas ao contrário. Fazem sempre assim em tudo," escreveu Zakharova.

    Tags:
    retórica, geopolítica, sanções, Donald Trump, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik