10:13 16 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Futuro vice-presidente dos EUA Mike Pence aperta a mão de Donald Trump, presidente eleito dos EUA, Nova York, EUA, 9 de novembro de 2016

    Como vice-presidentes dos EUA influenciam na política de Washington sobre a Ucrânia?

    © AFP 2018 / MANDEL NGAN
    Mundo
    URL curta
    204

    Neste domingo (15), Joe Biden, vice-presidente dos EUA, realiza sua terceira e última visita à Ucrânia. Na semana passada, Obama condecorou Biden por seus esforços em formar uma “política externa mais inteligente”. O que Biden planeja fazer em Kiev? Será que esta visita de despedida é mais uma tentativa de atrapalhar a transição política dos EUA?

    Arquiteto da agenda ucraniana — Joe Biden

    Na quinta-feira (12), o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, condecorou Biden com Medalha Presidencial da Liberdade, prêmio civil mais alto do país, por desempenhar um trabalho vitalício na "luta pelo fortalecimento da classe média, por um sistema judicial mais justo e por uma política externa mais inteligente".

    Ao longo da presidência de Obama, Biden desempenhou papel crucial ao ajudar a traçar a política externa norte-americana e esteve ativamente envolvido na retirada das tropas norte-americanas do Iraque e do Afeganistão.

    Quanto aos países vizinhos da Rússia, realça o colaborador do portal russo Gazeta.ru Valentin Loginov, Biden foi peça-chave na elaboração e implementação da política norte-americana na Ucrânia, especialmente na época da crise política e militar que abalou o país após o golpe de Estado de 2014, causado pelos protestos de Maidan.

    Biden visitou a Ucrânia duas vezes a fim de incitar o presidente Pyotr Poroshenko a conduzir reformas políticas e econômicas. Ele também incentivou que o governo ucraniano combatesse mais fortemente a corrupção, incentivo este considerado hipócrita por muitos, já que, segundo a mídia norte-americana (o New York Times), seu filho Hunter, ex-lobista, esteve envolvido em esquemas de corrupção em Kiev.

    Vice-presidente dos EUA, Joe Biden, em reunião da Suprema Rada, em Kiev
    © Sputnik / Nikolay Lazarenko
    Vice-presidente dos EUA, Joe Biden, em reunião da Suprema Rada, em Kiev

    Biden Junior virou membro do Conselho Executivo da Burisma (empresa petrolífera ucraniana) dois meses após Yanukovych ter sido derrubado. Os procuradores públicos ucranianos acusaram a empresa de estar envolvida em lavagem de dinheiro, mas a administração do procurador-geral "se esqueceu" de mencionar Hunter no processo, supostamente graças ao lobby do vice-presidente.

    Em 2016, Biden pressionou Poroshenko para que ele demitisse o procurador-geral Viktor Shokin. "Ele até chantageou o presidente ucraniano ao falar que os EUA não concederiam empréstimo a Kiev, caso recusasse a fazê-lo", frisa Loginov.

    "Pyotr, você não receberá seu bilião de dólares", gracejou Biden, falando sobre sua conversa com o presidente ucraniano, relatada no The Atlantic. "Está OK, você pode deixar o procurador-geral no cargo. Mas entenda — não lhe pagaremos se deixá-lo", adiantou.

    No decorrer da crise ucraniana, Biden pressionou ativamente o presidente Obama para que autorizasse o envio de armas letais à Ucrânia como forma de apoio à operação militar de Kiev, realizada no Leste do país. Além disso, o vice-presidente não conteve esforços em apoiar os congressistas na promoção do ato "Estabilidade e Democracia para Ucrânia", que, formalmente, permitiria o envio de armas mortais ao território ucraniano.

    Biden incentivou Kiev a pôr em prática reformas econômicas, caso contrário, as sanções europeias contra a Rússia seriam aumentadas.

    Parece que enquanto a administração de Obama prepara o terreno para a equipe de Trump, "Kiev teme que a nova administração deixe de fazer lobby dos interesses ucranianos".

    Afinal, Kiev queria que Hillary Clinton tivesse ganhado as eleições, fato esse nunca escondido por Kiev.

    O que se deve esperar do governo Trump?

    "Entretanto, apesar de todos os receios dos políticos ucranianos, o vice-presidente eleito de Trump, Mike Pence, tem uma postura… mais dura em relação à Rússia do que Trump", deixando Kiev esperançosa na possibilidade de ele virar o novo lobista dos interesses ucranianos na Casa Branca, acrescentou Loginov.

    "De qualquer modo, é cedo demais para fazer quaisquer previsões quanto à interação entre a Ucrânia e a nova administração", ressaltou.

    O professor da Universidade Estatal de Relações Internacionais de Moscou, Nikolai Topornin, explicou em entrevista à edição Gazeta.ru:

    "Biden tem mais autonomia, já que conhece mais a região. De alguma forma ele influenciou nas decisões de Obama ao apresentar os eventos de uma maneira que lhe convinha. Pence não é diplomata ou militar, é pouco provável que demonstre o mesmo grau de independência."

    Aleksandr Konovalov, presidente do Instituto de Avaliações Estratégicas de Moscou, disse estar de acordo com seu colega, mas adiantou que, durante a transição, Pence poderá tentar reassegurar a continuidade da política dos EUA em Kiev. No entanto, ele observou que "vice-presidentes não decidem a política, tudo depende da postura de Trump".

    Quanto a Biden e sua terceira visita à Ucrânia, é provável que ele esteja enchendo a cabeça da Ucrânia com recomendações da forma como ela deve interagir com a administração de Trump, resumiu Loginov.

    Mais:

    Biden: Trump deve cooperar com a Rússia, mas com ressalvas
    Poroshenko: EUA continuam sendo parceiro estratégico da Ucrânia
    Ucrânia planeja produzir armas de acordo com padrões da OTAN
    Tags:
    prognóstico, vice-presidente, relações bilaterais, Suprema Rada, Casa Branca, Mike Pence, Joe Biden, Barack Obama, Ucrânia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik