11:17 13 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Margarita Simonyan, editora-chefe da Sputnik e do canal RT

    Jornalista mais perigosa do mundo?

    © Sputnik/
    Mundo
    URL curta
    44832

    A editora-chefe da Sputnik e do canal RT tem sido apontada pela inteligência dos EUA como a responsável pela "campanha de influência" que visava favorecer a eleição de Donald Trump.

    Maria José Braga, presidente da Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) expressou sua opinião em torno deste assunto destacando que "as críticas foram direcionadas contra a jornalista que chefia esses meios de comunicação russos por ser responsável pela eventual interferência russa nas eleições". Em entrevista à Sputnik Mundo, Braga explicou que "uma só pessoa não pode definir a política de um Estado".

    Na opinião de Braga, é normal a existência de políticas editoriais, "mas não há nada que signifique uma intervenção política direta".

    Segundo a presidente da FENAJ, o conteúdo do relatório foi revelado através de comunicados da mídia sem oferecer nenhuma prova:

    Não há nenhuma comprovação de que realmente tenha sido interferido ou intencionado interferir nas eleições, aponta Braga.

    "Todos os Estados possuem suas políticas de comunicação. E claro que um país como Rússia tem a sua própria e tem o direito de realizá-la", sublinhou.

    As notícias representam Simonyan como a jornalista mais perigosa do planeta. Como exemplo, pode ser utilizado um artigo publicado no jornal argentino La Nación. Segundo Braga, "o texto de La Nación, escrito por uma mulher-jornalista, é um exemplo de anti-jornalismo" e não tem "informações concretas".

    "Quando se trata de figuras públicas femininas, o sexismo está sempre presente, começando com a descrição física que absolutamente não intervêm na sua atividade profissional", conclui a presidente da FENAJ.

    O relatório publicado pelos serviços de inteligência dos EUA menciona o nome de Simonyan 27 vezes e a acusa de ter atuado através da Sputnik e do RT "como uma plataforma que visa aproximar a mensagem do Kremlin dos auditórios estrangeiros".

    Mais:

    Ex-embaixador dos EUA quer 'punir' Sputnik e RT
    Tags:
    eleições presidenciais, jornalista, interferência, relatório, Federação Nacional de Jornalistas (Fenaj), La Nación, RT, Sputnik, Maria José Braga, Margarita Simonyan, EUA, Rússia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik