21:38 17 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Um habitante de Aleppo oriental após seu bairro ter sido libertado

    Analistas: cisão da Síria supostamente apoiada pela Rússia, Irã e Turquia é impossível

    © Sputnik / Mikhail Alaeddin
    Mundo
    URL curta
    873

    O acordo entre a Rússia, a Turquia e o Irã para a resolução do conflito sírio não vai provocar a cisão do país, disse à RIA Novosti o cientista político turco Aydin Sezer.

    Mais cedo, a agência Reuters, citando suas fontes bem informadas sobre a situação, comunicou que no âmbito deste acordo a Síria pode ser dividida em várias zonas de influência não oficiais.

    "Esses acordos não podem levar à divisão da Síria em zonas de influência, já que a Rússia, o Irã e a Turquia apoiam a resolução do Conselho de Segurança da ONU № 2254, de acordo com a qual a integridade territorial da Síria deve ser preservada. A Turquia, bem como a Rússia, não quer que a Síria seja desintegrada. A médio e longo prazo, a Turquia precisa da cooperação com a Rússia no que se trata da regularização do problema sírio. Disso falam tanto as autoridades do país, como a opinião pública", afirmou Sezer.

    Segundo diz ele, embora Ancara continue falando sobre a necessidade da destituição do presidente sírio Bashar Assad, a postura real turca nesta questão já não é tão dura como anteriormente.

    "Para a Turquia hoje o partido curdo da Síria, [ou seja] Partido de União Democrática, é muito mais perigoso do que Assad. As autoridades turcas aceitam um período de transição com Assad, mas, na opinião delas, ele não deve ficar no cargo de presidente", ressaltou o interlocutor da RIA Novosti, acrescentando que Moscou e Teerã partilham de outro ponto de vista.

    O analista explicou que a trégua na Síria que está sendo negociada entre Ancara e Moscou não pode ser universal, já que incluirá apenas a oposição moderada. Ele também fez lembrar que de jure o país atualmente está em regime de cessar-fogo, mas a maioria das forças em confronto não o observa.

    "De qualquer modo, isto [o acordo trilateral] é um passo em direção certa. É extremamente importante que Ancara e Moscou não só se sentem à mesa das negociações para a resolução da crise síria, mas também possam acordar algo", sublinhou Sezer.

    O cientista político frisa que as posturas de Moscou e Ancara se aproximaram uma da outra no que se refere aos agrupamentos armados na Síria.

    "A Turquia reconheceu que a Frente al-Nusra é um agrupamento terrorista. Através da Turquia, a Rússia está comunicando com a oposição moderada síria. Uma das questões principais são as forças de autodefesa dos curdos sírios (YPG), que a Rússia não considera como organização terrorista. Já a Turquia está combatendo não só o Daesh, mas também as YPG no Norte da Síria, e a Rússia está atrapalhando esta luta", ressaltou Sezer.

    Outro especialista — o investigador sênior do centro de Estudos Árabes e Islâmicos da Academia de Ciências russa, Boris Dolgov, fala em uníssono com Aydin Sezer e diz que descarta a hipótese de os três países terem acordado a cisão da Síria sem negociar com Damasco.

    "Isso, em primeiro lugar, será uma decisão dos sírios, e os outros países, mesmo se queiram, não poderão determinar a forma que assumirá o Estado Sírio. Os responsáveis oficiais russos têm muitas vezes expressado que somente os cidadãos sírios podem decidir tais questões", frisou.

    Segundo o analista, publicações como a da Reuters já apareceram antes. "Regra geral, estas falsificações são por um lado baseadas parcialmente em fatos, e por outro lado — em suposições dos autores. Nesta, em particular, não há declarações oficiais, já que não as houve nesse sentido. São suposições, enquanto a realidade deve ser confirmada por declarações dos altos funcionários", realçou Dolgov.

    Outro cientista do centro de Estudos Árabes e Islâmicos da Academia de Ciências russa, Vladimir Sazhin, disse à RIA Novosti que a Síria está dividida e "continuará assim ainda por muito tempo".

    "Mas tudo isto é tão convencional que é impossível falar de fronteiras concretas e assim por adiante. Na Síria não há, por regra, um espaço contínuo controlado por alguém, mas sim enclaves dispersos", resumiu.

    Mais:

    Putin: Moscou pretende reduzir contingente russo na Síria
    Ancara acusa Washington de desamparo na operação turca na Síria
    'Rússia alcançou seu objetivo na Síria'
    Tags:
    pacificação, desintegração, cisão, resolução pacífica, acordo, Guerra Civil Síria, Reuters, Turquia, Irã, Síria, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar