22:53 18 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Um militar ucraniano vestindo uma máscara que descreve um crânio, em 23 de setembro de 2014, no portador de veículo blindado em um subúrbio da cidade oriental Debaltseve na região de Donetsk

    Situação em Donbass se agrava muito rapidamente

    © AFP 2017/ Anatolii Stepanov
    Mundo
    URL curta
    462665214

    Militares ucranianos lançaram durante o último dia quase 3 mil granadas de morteiro, projéteis de artilharia e foguetes de sistemas de lançadores múltiplos contra o território da autoproclamada República Popular de Donetsk (DNR).

    A informação foi divulgada neste sábado (24) pelo vice-comandante das milícias de Donetsk Eduard Basurin na coletiva.

    "No último dia a situação se agravou bruscamente", disse.

    Segundo Basurin, as tropas ucranianas violaram o regime de cessar-fogo por 302 vezes, lançando contra o território da DNR "16 foguetes de lançador múltiplo Grad", 114 projéteis de artilharia de calibre 152 e 122 mm, 1.822 granadas de morteiro de calibre 120 e 82 mm, 30 projéteis de tanque, bem como 836 munições de diferentes tipos de lançadores de granadas.

    "Além disso, nos bombardeios foram usados BMP [veículos de combate de infantaria] e fuzis", sublinhou.

    De acordo com o comandante adjunto das milícias locais, os bombardeios foram realizados contra 16 povoações da DNR e os arredores da cidade de Donetsk.

    Ainda de acordo com Basurin, o serviço de inteligência militar descobriu nas áreas perto da linha de contato mais de 10 sistemas Grad e outros sistemas de artilharia de grande calibre pertencentes ao exército da Ucrânia.

    Mais cedo, foi divulgado que desde a meia-noite de 24 de dezembro na zona de Donbass (leste da Ucrânia) foi introduzido o regime de silêncio para o tempo de festas natalinas, essa condição faz parte dos Acordos de Minsk.

    Mais:

    Time publica artigo sobre ações corruptas de Poroshenko
    Material militar americano se rebela e não funciona na Ucrânia
    Tags:
    Acordos de Minsk, cessar-fogo, bombardeio, Donbass, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik