17:04 26 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Miliciano da República Popular de Donetsk no território do aeroporto de Donetsk

    Grupo de Contato para a Ucrânia apela às partes em conflito por um cessar-fogo em Donbass

    © Sputnik/ Sergey Averin
    Mundo
    URL curta
    464922

    O Grupo de Contato para a Ucrânia pediu nesta quarta-feira (21) que as partes em conflito no leste ucraniano cheguem a um acordo de cessar-fogo a ser iniciado na noite de 24 de dezembro.

    O membros do grupo, formado por enviados da Rússia, Ucrânia e da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), enfatizaram durante uma reunião em Minsk a importância de garantir a paz durante os próximos feriados de Natal e Ano Novo.

    "Reafirmamos nossa adesão à implementação dos acordos de paz de Minsk e à continuação efetiva do processo de Minsk no novo ano", disse o grupo em comunicado.  

    Em abril de 2014, as autoridades ucranianas começaram uma operação militar contra as repúblicas autoproclamadas de Lugansk e Donetsk que tinham declarado sua independência após um golpe de Estado que se deu na Ucrânia em fevereiro de 2014. Segundo os dados mais recentes da ONU, o conflito já deixou 9,7 mil vítimas.

    A resolução do conflito em Donbass está sendo discutida, em particular, durante os encontros do grupo de contato de Minsk que, desde setembro de 2014, já adotou três documentos estabelecendo os passos de desescalada da crise. Entretanto, após cada acordo de cessar-fogo, as hostilidades entre as partes beligerantes têm continuado.

    Mais:

    Deputada Savchenko não acha que líderes das repúblicas de Donbass sejam terroristas
    OSCE lança leilão para substituir drones eliminados em Donbass
    Militar ucraniano junta-se à milícia de Donbass depois de matar seu comandante
    Ucranianos não acreditam que Poroshenko consegue por fim ao conflito em Donbass
    Tags:
    hostilidades, golpe de Estado, acordo, cessar-fogo, conflito, Grupo de Contato, ONU, Kiev, Donbass, Ucrânia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik