22:02 22 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Shell, a réplica da maior bomba nuclear soviética detonada, a AN-602 (Tsar-Bomb), em exposição em Moscovo, Rússia, 31 de agosto de 2015

    'Rússia não é mais o Império do Mal, mas continua sendo único país capaz de eliminar EUA'

    © REUTERS / Maxim Zmeyev
    Mundo
    URL curta
    221039

    A Rússia não é um Império do Mal, mas qualquer passo dado por ela no palco internacional pode afetar os interesses nacionais norte-americanos. Sendo assim, Washington não tem outra opção a não ser cooperar com Moscou, diz o The National Interest.

    Atualmente, as relações com a Rússia podem ser entendidas tanto como um desafio, como uma boa oportunidade, acreditam os autores do artigo.

    "A Rússia deixou de ser o Império do Mal, contra quem os EUA se opuseram ao longo das décadas da guerra fria. No entanto, Moscou continua no jogo e cada passo dado por ela exerce influência importante sobre os interesses vitais dos Estados Unidos em questões globais", realça o National Interest.

    Primeiramente, Washington não deve se esquecer de que a Rússia ainda possui o status de único país do mundo capaz de varrer os EUA da Terra em meia-hora, frisam os autores.

    Em segundo lugar, Moscou é uma força-chave no combate ao terrorismo nuclear e alastramento das armas de extermínio em massa.

    Para finalizar, os autores relembram a prontidão dos russos em partilhar dados de inteligência, responsáveis pela prevenção considerável de atentados em todo o mundo.
    Além disso, a Rússia é o maior país do mundo em território: faz fronteira com a China, Polônia, e os Estados Unidos, ressalta-se na matéria.

    "Deste modo, as declarações de que a Rússia é apenas uma potência 'regional' não levam em consideração o fato de este Estado interagir com todas as regiões importantes", opinam os autores, Graham Allison e Dimitri K. Simes.

    O autor sublinha os avanços técnicos russos, na esfera de cibertecnologias, em particular, e no domínio militar — a Rússia se destacou na construção das armas impressionantes. Até mesmo no espaço, são os foguetes russos que dão uma "carona" aos astronautas norte-americanos para que eles possam chegar à Estação Espacial Internacional, diz-se no artigo.

    A Rússia é um país-guerreiro: a nação russa já demonstrou seu preparo para proteger seus interesses por via militar, diz a edição. Ao mesmo tempo, Moscou pode atrapalhar os planos dos norte-americanos como ninguém.

    Mais:

    John McCain: 'EUA perderam papel de líder mundial'
    Obama: Reagan se reviraria no túmulo se soubesse do nível de apoio ao Putin nos EUA
    McFaul teme 'ligações com a Rússia' do possível secretário de Estado dos EUA
    Tags:
    tecnologia militar, corrida armamentista, superpotência, confrontação, armas nucleares, império do mal, Guerra Fria, Kremlin, Casa Branca, OTAN, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar