08:30 23 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Rebelde sírio portando um MANPADS em Teir Maalah, norte de Homs, abril de 2016

    EUA não querem MANPADS na Síria, apesar de terem liberado fornecimento de armas

    © AFP 2019 / MAHMOUD TAHA
    Mundo
    URL curta
    1817

    Os EUA “não querem” que sistemas portáteis de defesa aérea (MANPADS) cheguem à Síria, apesar de o presidente Barack Obama ter suspendido as restrições de ajuda militar ontem (8), segundo disse o porta-voz do Departamento de Estado norte-americano, Mark Toner, em um briefing nesta sexta-feira (9).

    Mais cedo nesta sexta, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, alertou que os MANPADS poderiam cair nas mãos de terroristas depois que Obama renunciou às restrições legais ao fornecimento de artigos de defesa às forças estrangeiras na Síria.

    "Nossa posição em relação aos MANPADS não mudou", disse Toner. "Nós não queremos ver esse tipo de armamento entrando na Síria".

    Obama renunciou às restrições, explicou Toner, para que os Estados Unidos pudessem reforçar as forças locais na Síria para derrotar o grupo terrorista Daesh (autodenominado Estado Islâmico).

    Um funcionário da administração do governo dos EUA disse à Sputnik na quinta-feira que Obama levantou as restrições para facilitar a ofensiva de retomada da cidade de Raqqa.

    Em outubro, a representante oficial do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, disse que Moscou estava ciente de casos em que militantes sírios perto de Aleppo obtiveram MANPADS fabricados nos Estados Unidos.

    Mais:

    Assembleia Geral da ONU adota resolução sobre trégua na Síria
    Fonte na Casa Branca explica o motivo da liberação do fornecimento de armas para Síria
    Obama autoriza apoio militar a forças estrangeiras e irregulares na Síria
    Moscou adverte Washington contra fornecimento de MANPADS à oposição síria
    Tags:
    terroristas, rebeldes, venda, embargo, armas, restrição, MANPADS, Estado Islâmico, Daesh, Barack Obama, Raqqa, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar