23:15 22 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Presidente da Rússia Vladimir Putin fala perante a Assembleia Federal russa, Kremlin, Moscou, Rússia, 1 de dezembro de 2016

    Putin critica silêncio de organizações humanitárias sobre bombardeio a hospital russo

    © Sputnik / Mikhail Klimentyev
    Mundo
    URL curta
    14171

    O presidente da Rússia, Vladimir Putin, declarou nesta quinta-feira (8) que organizações internacionais que não se manifestaram em relação ao bombardeio ao hospital russo na Síria de fato colocaram os médicos mortos e aqueles que realizaram o ataque no mesmo patamar. "Isso é inadmissível e inaceitável", disse Putin.

    Em reunião com o presidente do Conselho presidencial para Direitos Humano russo, Putin afirmou que a Rússia nunca irá concordar com isso. 

    O presidente do Conselho Presidencial para Direitos Humanos, Mikhail Fedotov, lembrou ao presidente que não houve nenhuma declaração sobre a morte de especialistas russos na Síria. Fedotov afirmou que o Conselho de Direitos Humanos e a Cruz Vermelha russa manifestaram "indignação com o bárbaro ataque contra o hospital, que resultou na morte de nossos enfermeiros e médicos". 

    "Você sabe, em primeiro lugar, eu não me referi às nossas organizações de direitos humanos", esclareceu Putin.

    "Eu me referi às principais estruturas internacionais, que, na nossa visão, colocaram no mesmo patamar os médicos falecidos e aqueles que realizaram os ataques, e fizeram isso conscientemente", declarou o presidente russo. 

    Segundo Putin, isso é totalmente "inadmissível e inaceitável". "Nós nunca poderemos concordar com isso", concluiu. 

    Mais:

    Coalizão, liderada pelos EUA, bombardeou hospital do Daesh em Mossul
    Moscou: 'Reação da OTAN sobre ataque a hospital em Aleppo é caso claro de padrões duplos'
    Kremlin: Terroristas realizaram um ataque de alta precisão contra hospital em Aleppo
    Damasco condena ataques terroristas contra hospital móvel russo em Aleppo
    Tags:
    silêncio, médicos, mortes, hospital, bombardeio, direitos humanos, Vladimir Putin, Síria, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik