05:41 24 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Aleppo

    Enviado Especial da ONU: Aleppo oriental pode ser destruída até final de dezembro

    © Sputnik/ Mikhail Alaeddin
    Mundo
    URL curta
    3103616

    A parte oriental de Aleppo pode ser destruída até o final de dezembro, caso os bombardeios continuem no mesmo nível que antes. O alerta foi do enviado especial da ONU para a Síria, Staffan de Mistura, nesta terça-feira (22).

    "Se os bombardeios continuarem no mesmo nível, como nós vimos antes, então até o natal cristão [25 de dezembro] a região oriental de Aleppo não existirá mais. Por isso, sim, eu estou preocupado", disse ele em resposta a uma pergunta de jornalista da agência Deutsche Welle sobre a iminência do fim da cidade síria. 

    De Mistura disse que a única solução nesta situação, em sua opinião, é um debate político sobre o futuro da Síria e de uma transição política. Segundo ele, mesmo a Rússia parece "sentir" que esta é a única opção possível.

    Além disso, o enviado considera que a intenção do presidente eleito dos EUA, Donald Trump, de realizar um tipo especial de conversa com o presidente russo, Vladimir Putin, sobre a forma de lutar com os grupos terroristas Daesh (Estado Islâmico) e a Frente Al-Nusra (ambos proibidos na Rússia) "é um ponto muito importante".  

    Nos últimos meses a situação na cidade síria de Aleppo se deteriorou bastante com intensos combates e o impedimento por parte de grupos terroristas de deixar civis evacuarem da região através de corredores humanitários.  

    Mais:

    Exército Livre da Síria frustra evacuação de 200 civis de Aleppo
    Lavrov e Kerry discutem normalização da situação em Aleppo
    Rússia não vê evidência de que oposição cumprirá plano da ONU para Aleppo
    Tropas sírias destroem armazém de armas de militantes no leste de Aleppo
    Tags:
    terroristas, combate, bombardeio, destruição, conflito, Frente al-Nusra, Estado Islâmico, Daesh, ONU, Staffan de Mistura, Leste de Aleppo, Aleppo, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik