17:43 22 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Presidente ucraniano Pyotr Poroshenko

    Ucranianos não acreditam que Poroshenko consegue por fim ao conflito em Donbass

    © AP Photo/ Mindaugas Kulbis
    Mundo
    URL curta
    135121

    Cerca de 68% dos ucranianos pensam que o presidente do país, Pyotr Poroshenko, é incapaz de parar o conflito em Donbass, segundo pesquisa do Instituto internacional de sociologia de Kiev, publicada nesta terça-feira.

    Militares ucranianos junto a um morteiro na aldeia de Peski, região de Donbass
    © AFP 2017/ ANATOLY STEPANOV
    A pesquisa foi realizada entre 4 e 13 de novembro em todo o território ucraniano, excluindo os territórios de Donbass. Foram entrevistadas 2 mil e 39 pessoas. A margem de erro é de 3,3%. 

    A pergunta feita aos ucranianos questionava se eles acreditam na capacidade de Poroshenko de parar o conflito em Donbass. Os resultados não devem ter agradado o presidente da Ucrânia: 68,1% responderam não acreditar, 16,4% acreditam e 15,5% tiveram não souberam responder. 

    Em abril de 2014, Kiev iniciou uma operação militar contra as autoproclamadas repúblicas populares de Donetsk e Lugansk, na região de Donbass, no leste do país, que declararam independência em resposta ao golpe de Estado, ocorrido na Ucrânia em fevereiro do mesmo ano.

    Segundo os mais recentes dados da ONU, mais de 9,6 pessoas morreram durante o conflito.

    Em fevereiro de 2015, as partes chegaram a um acordo de cessar-fogo com os acordos de Minsk após negociações com líderes do formado do Quarteto da Normandia, formado por Rússia, França, Alemanha e Ucrânia. No entanto, a trégua é violada constantemente por ambos os lados.

    Mais:

    União Europeia ignora pedido ucraniano de envio de missão militar a Donbass
    Rússia abre inquéritos contra oficiais ucranianos por ataques aos cidadãos em Donbass
    Presidente da Ucrânia está convencido que Kiev retomará Crimeia e Donbass
    Tags:
    pesquisa, Pyotr Poroshenko, Donbass, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik