17:45 21 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Marcha em homenagem às vítimas do genocídio armênio de 1915 em Erevan

    Não-me-esqueças: Egito adere ao grupo de países que condenam genocídio armênio

    © Sputnik / Tigran Megrabyan/PanARMENIAN Photo
    Mundo
    URL curta
    461
    Nos siga no

    No ano passado, milhares de flores de miosótis enfeitaram os casacos dos armênios em homenagem às vítimas do genocídio e crimes contra a humanidade perpetrados pela Turquia em 1915 em relação aos naturais da Armênia. Passados 100 anos, dezenas de países nunca chegaram a reconhecer esse genocídio.

    Nesta sexta-feira (18), o chefe do Comitê Nacional Armênio do Egito comunicou que o parlamento egípcio está planejando incluir na sua agenda um projeto da resolução que repudia o genocídio dos armênios conduzido pela Turquia em 1915.

     

    “[O parlamentar egípcio] Mustafa Bakri informou os membros da delegação sobre a posição do parlamento do Egito em relação ao genocídio do povo armênio, ao afirmar que eles estão se preparando para submeter ao voto uma resolução que condena as atrocidades cometidas pela Turquia. Ele [Bakri] confirmou que este é um ‘estigma infame’ turco e que todos os outros governos também devem repudiar esta carnificina desumana”, disse Armen Mazlumyan, citado pela agência Armenpress.

    Em julho, mais de 300 legisladores egípcios apoiaram o apelo de Bakri, parlamentar e jornalista, para os outros deputados votarem a favor de um projeto da resolução que condena o genocídio de 1915.

    Cerca de 1,2 milhão de armênios foram assassinados ou mortos de fome devido à agressão do Império Otomano durante a Primeira Guerra Mundial e o período pós-guerra.

    O presidente da Armênia, Serj Sargsyan, discursa durante uma cerimônia de homenagem às vítimas do genocídio armênio, perpetrado em 1915 pela Turquia, no Centro Memorial do Genocídio, em Erevan, em 24 de abril de 2015
    © Sputnik / Aleksey Nikolskyi
    O presidente da Armênia, Serj Sargsyan, discursa durante uma cerimônia de homenagem às vítimas do genocídio armênio, perpetrado em 1915 pela Turquia, no Centro Memorial do Genocídio, em Erevan, em 24 de abril de 2015

    A Turquia tem várias vezes rechaçado acusações de assassinatos maciços do povo armênio, afirmando que as vítimas da tragédia foram tanto turcos como armênios. 

    #ArmenianGenocide #RememberAndDemand 🌸🌸🌸 Невозможно отрицать очевидное. #ПомнюИТребую

    Фото опубликовано Elsa Melcúmova (@elsitto) Апр 26 2015 в 4:51 PDT

    Diz se que cada elemento desta flor, que foi escolhida para ser símbolo do centenário do Genocídio Armênio, tem seu próprio significado: o centro negro representa sofrimento, as pétalas em lilás significam amizade entre o povo armênio e todo o mundo, cinco pétalas roxas querem dizer 5 continentes onde os sobreviventes do genocídio encontraram refúgio, enquanto os 12 trapézios representam pilares do Centro Memorial do Genocídio Armênio, em Erevan.

    A Armênia insiste no reconhecimento do genocídio armênio pela comunidade internacional, mas até hoje só a Rússia e vários países da UE, bem como o Parlamento Europeu, o fizeram.

    Mais:

    Exclusivo: Armênia tem equilíbrio de poder com míssil russo Iskander
    Armênia se recusa a extraditar programador russo para os EUA
    Putin aprova criação de forças militares unidas da Rússia e Armênia
    Tags:
    parlamentares, votação, resolução, Primeira Guerra Mundial, Genocídio Armênio, ONU, Serj Sargsyan, Armênia, Turquia, Egito
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar