10:17 24 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Combatentes curdos Peshmerga observam região próxima a Bashiqa, a 25 km de Mossul

    Operação para libertar Mossul não será rápida, disse o enviado de Obama

    © AFP 2019 / SAFIN HAMED
    Mundo
    URL curta
    603

    A operação para libertar Mossul não será rápida. Isso era previsível, disse nesta sexta-feira em Roma o enviado especial da Casa Branca junto à coalizão internacional anti-Daesh, Brett McGurk.

    "A campanha para libertar Mossul não será rápida. Isso já era esperado. No entanto, até o momento, todos os objetivos colocados foram alcançados", disse McGurk durante coletiva de imprensa conjunta com o ministro das Relações Exteriores da Itália, Paolo Gentiloni.

    O ministro italiano, por outro lado, salientou que não se deve esperar soluções rápidas.

    "Este caminho será longo e difícil, mas o resultado é positivo, o mesmo se passa em Sirte", disse Gentiloni.

    Em 17 de outubro de 2016 as Forças Armadas do Iraque, juntamente com outros grupos armados que incluem as formações curdas peshmerga, iniciaram ofensiva contra Mossul, uma das duas "capitais" do grupo terrorista Daesh, que ocupou a cidade iraquiana em 2014, proclamando-a como um dos centros do seu "califado".

    Mais:

    Vento salva Turquia de chuvas ácidas vindas de Mossul
    Rússia: avião dos EUA alvejou escola perto de Mossul, há baixas
    Esperança: moradores de Mossul se 'armam' com bandeiras brancas
    40 anos como peshmerga: história do combatente idoso que luta por Mossul
    Washington pede ajuda a Moscou nas investigações dos ataques em Mossul
    Tags:
    Daesh, Barack Obama, Paolo Gentiloni, Brett McGurk, Itália, EUA, Iraque, Mossul
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar