16:12 20 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Mulheres iemenitas que apoiam os rebeldes xiitas Houthis protestam contra os ataques aéreos da coalizão liderada pela Arábia Saudita em frente ao hotel onde o enviado das Nações Unidas para o Iêmen, Ismail Ould Cheikh Ahmed, estava hospedado. Sanaa, em 25 de Outubro de 2016.

    ONU é alvo de protestos em massa no Iêmen por 'cumplicidade' com bombardeios sauditas

    © AFP 2019 / MOHAMMED HUWAIS
    Mundo
    URL curta
    1070

    Centenas de pessoas se manifestaram nesta terça-feira (25) na capital do Iêmen, Sanaa, contra a suposta "cumplicidade" das Nações Unidas na mortífera guerra que já dura 19 meses no país.

    Os manifestantes se reuniram do lado de fora de um hotel na cidade controlada pelos rebeldes houthis, onde o enviado da ONU Ismail Ould Cheikh Ahmed estava hospedado enquanto tentava convencer as partes em conflito a aceitar um cessar-fogo e retomar as negociações de paz. 

    "Fora, fora do Iêmen", gritavam os manifestantes para o enviado da ONU, a quem acusavam de "simpatizar com Al-Saud," a família real saudita, segundo relata a AFP.

    A Arábia Saudita está liderando uma coalizão militar que tem bombardeado o Iêmen desde março de 2015, em apoio ao governo do presidente exilado Abd Rabbuh Mansur Hadi. A manifestação de hoje, convocada pelos rebeldes, terminou quando o enviado da ONU deixou o hotel e partiu para o aeroporto de Sanaa, segundo testemunhas.

    Mais:

    Coalizão saudita retoma ataques aéreos no Iêmen apesar de apelos da ONU
    Mísseis do Iêmen atingem civis na Arábia Saudita
    Ministro britânico: ataque das forças sauditas contra Iêmen foi um 'erro intencional'
    Presidente do Iêmen apoia a trégua de 72 horas com os houthis
    Coalizão árabe admite que atacou cerimônia fúnebre no Iêmen 'por engano'
    Tags:
    hotel, xiitas, rebeldes, houthis, manifestação, bombardeios, ataques aéreos, coalizão, enviado da ONU, protestos, ONU, Abd Rabbuh Mansur Hadi, Ismail Ould Cheikh Ahmed, Arábia Saudita, Sanaa, Iêmen
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar