18:26 21 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Colaboradores da Cruz Vermelha

    Cruz Vermelha negocia evacuação de civis e acesso à Aleppo

    © AFP 2017/ YASUYOSHI CHIBA
    Mundo
    URL curta
    148311

    O Comitê Internacional da Cruz Vermelha espera aproveitar a pausa humanitária em Aleppo para evacuar os feridos da região. A informação é da porta-voz da delegação regional da organização na Rússia, Victoria Zotikova.

    "Temos dificuldades, a situação muda, as dificuldades surgem de todos os lados, mas não paramos as negociações nem por um segundo e esperamos aproveitar a pausa humanitária para efetuar as evacuações médicas, que consideramos nossa tarefa principal, e no futuro obter acesso aos bairros de Aleppo", disse ela. 

    Anteriormente, uma fonte em Genebra havia comunicado à RIA Novosti que a Cruz Vermelha levou vários dias tentando acordar com os terroristas o acesso ao leste de Aleppo para evacuar os feridos da cidade. 

    Zotikova também comentou a informação sobre as condições que os grupos armados impõem à entrada da Cruz Vermelha em Aleppo.

    "Como uma organização neutra, negociamos com todos, a situação sempre foi difícil e sempre muda, por isso é difícil dizer que uma parte impõe condições, é difícil porque as negociações são confidenciais", afirmou. 

    Em 18 de outubro a Rússia e a Síria suspenderam os bombardeios contra grupos terroristas no leste de Aleppo e estabeleceram a partir do dia 20 uma pausa humanitária para permitir que civis e extremistas abandonem a cidade por corredores especiais. 

    Mais:

    EUA comentam prováveis tentativas da oposição em minar pausa humanitária em Aleppo
    Embaixador: Pausa humanitária em Aleppo é uma chance para separar oposição dos terroristas
    Rússia prorroga pausa humanitária em Aleppo por mais 24 horas
    Pausa em Aleppo: 'Rússia e EUA negociam áreas de influência no Oriente Médio'
    Tags:
    feridos, acesso, pausa humanitária, evacuação, Cruz Vermelha, Aleppo, Rússia, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik