19:27 18 Fevereiro 2018
Ouvir Rádio
    Apoio ao fundador do Wikileaks, Julian Assange, em frente à embaixada equatoriana em Londres

    Snowden sai em defesa de internet para Assange

    © REUTERS/ Stefan Wermuth
    Mundo
    URL curta
    660

    O ex-analista da Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA), Edward Snowden, saiu em apoio do fundador do site WikiLeaks, Julian Assange, cujo acesso à Internet foi cortado.

    “Não importa a sua opinião sobre o WikiLeaks ou Assange, censura não pode ser a solução”, escreveu Snowden em sua conta no Twitter.

    Nesta segunda-feira, o site WikiLeaks informou que a embaixada do Equador, onde o australiano vive desde 2012, cortou o acesso de Assange à Internet. A medida foi adotada “pouco tempo depois da publicação dos discursos de Hillary Clinton na corporação da Goldman Sachs”, informou o portal.

    O ativista australiano está praticamente confinado na embaixada do Equador em Londres desde 2012, onde ele solicitou refúgio político, por temer ser extraditado da Suécia para os EUA, em função das suas atividades no WikiLeaks.

    Durante todos os anos da residência de Assange na embaixada de Equador, a procuradoria sueca ainda não o interrogou, o que foi objeto de crítica por ativistas na Suécia. Este ano, porém, após meses de correspondência entre Estocolmo e Quito, a procuradoria sueca recebeu permissão para realizar o interrogatório de Assange na embaixada do país sul-americano em Londres, no dia 17 de outubro.

    Mais:

    WikiLeaks: Clinton ameaça 'cercar a China com sistemas antimíssil'
    WikiLeaks divulga nova leva de provas sobre complô de Clinton com a mídia dos EUA
    WikiLeaks: Clinton chama Arábia Saudita e Qatar de 'apoiadores financeiros' do Daesh
    WikiLeaks vaza 2º lote-bomba de e-mails da campanha de Hillary
    Exclusivo: Fontes do WikiLeaks enfrentam graves acusações após ataques contra CIA e FBI
    Clinton nega ter feito piada sobre atacar fundador do WikiLeaks com drone
    Tags:
    censura, Internet, WikiLeaks, Edward Snowden, Julian Assange, Londres, Equador
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik