23:30 15 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Misil antitanque TOW (imagem referencial)

    Estado-Maior russo: Terroristas na Síria continuam recebendo armas dos EUA

    © Foto/ Departamento de Defesa dos EUA
    Mundo
    URL curta
    0 920
    Nos siga no

    Terroristas na Síria continuam recebendo armas modernas, inclusive os sistemas de mísseis antitanque TOW, de produção dos EUA. É o que afirma o Estado-Maior russo nesta segunda-feira.

    Segundo o chefe de Operações do Estado-Maior, tenente-general Sergei Rudskoi, o Ocidente não deseja nem corrigir nem responder às agressões do combatentes na Síria que resultam em mortes de civis.

    "Segundo informações de várias fontes, os combatentes continuam recebendo armas modernas, incluindo os sistemas antitanque TOW, de fabricação dos EUA", disse ele. 

    "Em 13 de outubro, como resultado fogos de morteiros na região do curdistão iraquiano, foram mortos sete estudantes, e desde o começo de setembro morreram mais de 130 crianças", destacou Rudskoi. 

    "Após os bombardeios de 14 de outubro por partes de militantes contra moradores da região central de Aleppo foram mortas sete pessoas e outras 14 ficaram feridas. Estes fatos continuam sem a atenção dos países ocidentais. Eles não querem nem corrigir, nem responder à violência dos combatentes", acrescentou.

    Rudskoi ainda destacou que os aviões de combate russos baseados na Síria estão constantemente realizando ataques aéreos contra rotas de reforço e comboios de armas de militantes na periferia de Aleppo. 

    Mais:

    'Nenhum dos países da UE pensou em introduzir sanções contra Rússia por causa da Síria'
    Putin quer envolver 'todo mundo' na resolução da crise síria
    Crise na Síria: Reunião de chanceleres da Rússia e dos EUA na Suíça chega ao fim
    EUA prometem continuar contatos diplomáticos para solucionar crise síria
    Lavrov e Kerry podem ressuscitar o cessar-fogo na Síria?
    Tags:
    terroristas, armas, TOW, Sergei Rudskoi, Síria, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar